Repúdio à violência policial movimenta sessão da Câmara

Outros parlamentares também apoiaram o documento que condena o racismo
Outros parlamentares também apoiaram o documento que condena o racismo - FOTO: Emanuel Aquilera

Uma moção de protesto contra o caso de três policiais que foram flagrados em um caso de abuso de poder e racismo na cidade de Caieiras, na Região Metropolitana de São Paulo, foi o centro dos debates da sessão da Câmara de Vereadores de Mogi das Cruzes na tarde de ontem.

A moção, que foi assinada pela vereadora Inês Paz (Psol) e pelos vereadores José Luiz Furtado (PSDB), o Zé Luiz, e Edson Pereira (MDB), o Edinho do Salão, fez uma referência ao caso de violência praticado no último sábado e que teve repercussão nas redes sociais e na imprensa no início desta semana. Um dos policiais militares que aparece no vídeo faz insultos racistas a um jovem que está sendo abordado e chega a agredir com um soco.

A vereadora Inês Paz condenou o ato, apontando como "mais um ato flagrante de racismo", cometido por membros da Polícia Militar. "A população precisa de mais segurança, mas esta segurança precisa vir com humanidade", afirmou no início das deliberações.

O vereador Zé Luiz, um dos coautores da moção de repúdio, reiterou seu respeito à corporação e seu papel na comunidade, mas explicou que casos como este não podem passar sem a devida cobertura e condenação. A mesma posição foi compartilhada por Edinho, que afirmou que "esta Casa de Leis necessita se manifestar para demonstrar à sociedade que aqui não se aceita o racismo".

A moção contou com o apoio do vereador Maurino José da Silva (Pode), o Policial Maurino. O parlamentar reiterou que o papel da Polícia Militar é de proteger a vida da população, e que atos como o realizado em Caieiras não podem e não devem ser considerados como um procedimento padrão da corporação. "Eles extrapolaram. Sempre defendi a Polícia Militar e as políticas de segurança pública, mas não posso ser conivente com os crimes que estes homens cometeram. Eles devem ser punidos e devem ser retirados da corporação", afirmou.

Concluindo as deliberações, o vereador Iduigues Martins (PT) reafirmou a importância das redes sociais na divulgação de casos de abuso por parte de policiais, e como a posição da Câmara de Mogi se torna "educativa e pedagógica" frente à sociedade. "Este é um recado claro que damos contra o racismo, com as situações que temos que rechaçar diariamente no nosso convívio", afirmou o vereador, lembrando o caso ocorrido com o ex-prefeito de Suzano, Marcelo Candido, durante uma visita à cidade de Brasília, onde foi confundido com um assessor da Prefeitura pela cor de sua pele.

Deixe uma resposta

Comentários