Profissionais protestam contra retorno das aulas

Inês Paz se mostrou solidária aos educadores
Inês Paz se mostrou solidária aos educadores - FOTO: Emanuel Aquilera

Um grupo de profissionais da rede municipal de Educação de Mogi das Cruzes realizou um ato na tarde de ontem em frente à Prefeitura em protesto à retomada das aulas presenciais na municipal.

O ato foi organizado em grupos de discussão de professores, após a morte de Ana Paula Santos, diretora do Centro de Educação Infantil Municipal (Ceim) Lourdes Guerra de Campos, da agente escolar Eliana de Oliveira Berthão, da Escola Municipal Profº. Sérgio Hugo Pinheiro e do auxiliar de desenvolvimento da educação (ADE) Alexandre Araújo da Silva, que atuava na Escola Municipal Rural Bairro São João.

O protesto contou com mais de cem funcionários. As mortes, relacionadas ao coronavírus (Covid-19) ocorreram em menos de uma semana.

Recentemente, a Prefeitura deu início ao retorno das aulas nas creches municipais e creches subvencionadas, com previsão de retorno para mais 30 escolas a partir de segunda-feira.

O Executivo municipal lamentou as mortes, reiterando que os servidores públicos que pertencem aos grupos de risco permanecem na modalidade de teletrabalho, e que as unidades em que os profissionais estavam alocados não estavam programadas para o retorno na Fase 1 de retomada das aulas.

A vereadora Inês Paz (Psol), que é da Comissão Permanente de Educação da Câmara de Mogi, criticou. "Nossa solidariedade às famílias destes profissionais que morreram, e reafirmamos que o retorno às aulas deve ser feito com responsabilidade", concluiu.

O vereador Iduigues Martins (PT) também se pronunciou a favor dos professores. "O retorno às aulas e um risco aos profissionais, e às famílias das crianças que podem transmitir o vírus e furar as bolhas sanitárias", explicou.