Prefeituras avaliam cenário de possível 3ª onda da pandemia

O alerta feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na última semana de uma possível retomada no aumento de casos e mortes pelo novo coronavírus (Covid-19) segue sob supervisão pelas cidades mais populosas do Alto Tietê. As autoridades acompanham a flutuação no número de casos dos pontos de vista sanitário e econômico.

O alerta da Fiocruz registrou aumento nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em 12 dos 26 Estados mais o Distrito Federal na última semana, e emitiu um alerta público de que o país poderia entrar, nas próximas semanas, em uma "nova onda de contaminação", semelhante à que aconteceu no início de 2021.

A Prefeitura de Suzano, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que notou uma tendência de queda na evolução dos boletins epidemiológicos, registrando no dia 9 de junho 14,28% da taxa de ocupação de leitos, comparado aos 22% no dia 10 de maio. De acordo com a Pasta, o governo do Estado ainda não sinalizou oficialmente nenhum posicionamento sobre uma terceira onda. "A Prefeitura de Suzano reforça que segue com todas as recomendações estipuladas para a atual fase do Plano São Paulo e com permanente diálogo com os comerciantes e demais categorias, a fim de auxiliar na retomada gradual e segura das atividades econômicas", apontou em nota.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes declarou que realiza o monitoramento dos casos diariamente com uma equipe técnica, com dados divulgados diariamente em sua página na internet. "A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico mantém um canal aberto de comunicação com as entidades representativas do comércio e indústria. Qualquer medida a ser adotada demandará uma conversa prévia com os setores", informou.

Segundo a Prefeitura de Poá, os números de internação para Covid-19 continuam baixos, e o município segue acompanhando o ritmo da contaminação. A administração municipal informou que, até o momento, não foram realizadas conversas com outros setores como indústria e comércio sobre a possibilidade de medidas para uma eventual terceira onda de contágio.

A Prefeitura de Itaquaque-

cetuba declarou que ainda não é possível trabalhar com queda na ocupação de leitos, mas que tem ocorrido oscilações. "Apesar do medo, a expectativa é de que a chamada terceira onda não chegue a acontecer e que, impulsionada pela aceleração da campanha de vacinação, a crise sanitária seja sanada o quanto antes", apontou a municipalidade.

A cidade de Ferraz de Vasconcelos, por meio de sua Vigilância Epidemiológica, apontou um aumento na demanda por internações tanto no Hospital Regional Dr. Osiris Florindo Coelho, bem como no número de notificações nas últimas semanas, e que o município realiza estudos com base no levantamento epidemiológico semanal e com o Plano São Paulo. "O foco é fazer com que haja menor número de pessoas aglomeradas nos centros comerciais e outros locais", concluiu.

Deixe uma resposta

Comentários