Bertaiolli entrega relatório ao presidente da Câmara

Com 60 dias de antecedência, o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD-SP) entregou na manhã de ontem ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o relatório final da MP 1040/2021, que trata da modernização do Ambiente de Negócios no Brasil. O novo texto tem como principal objetivo recuperar os empregos perdidos na pandemia, ampliar a geração de postos de trabalho, recuperar a economia, desburocratizar e simplificar a abertura de empresas no país, reduzindo os prazos dos atuais um mês e meio para 24 horas.

"Nós precisamos de agilidade na recuperação dos empregos no Brasil e isso só acontece com a implantação de empresas, fomento de novos negócios e a recuperação da economia", destacou o deputado. "O Brasil precisa de agilidade nas decisões. Estamos passando por um dos piores momentos da nossa história, tanto no que diz respeito à geração de empregos, com mais de 14 milhões de desempregados, a falência de milhares de empresas, como na área da Saúde com a morte de milhares e milhares de brasileiros. Não há tempo para discussões, e sim para muito trabalho", destacou o deputado, explicando que, agora, o texto segue para análise e votação na Câmara e no Senado para depois ser enviado para sanção e publicação pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Primeiro vice-presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, Bertaiolli defende o fim da burocracia, que emperra diversos serviços e avanços no Brasil. "Por vezes, ainda somos submetidos a leis da época do carimbo. As coisas mudaram, a tecnologia está aí para agilizar todos os processos. Todas as informações agora são online e integradas, não faz mais sentido essa tramitação de papel para um lado e para o outro", destacou o deputado.

"O empreendedor precisa abrir uma inscrição no município, depois no Estado e depois na União. É um vai e vem de documentos, certidões e taxas que não acaba mais. A legislação, no caso dos empreendedores, parte do pressuposto que as informações dadas não são verdadeiras. E isso é um erro. Que se puna, com o rigor da lei, quem mente ou manipula dados, mas não se pode prejudicar quem trabalha com a verdade, quer investir e gerar emprego no país", concluiu o parlamentar.

Deixe uma resposta

Comentários