Apenas Taiaçupeba e Biritiba apontam elevação de volume

Em Taiaçupeba, alta foi de 26% para 30% em um ano
Em Taiaçupeba, alta foi de 26% para 30% em um ano - FOTO: Emanuel Aquilera

As represas de Taiaçupeba e de Biritiba, que fazem parte do Sistema Produtor do Alto Tietê (Spat), são as únicas dentre as cinco a região que apresentaram elevação no volume total em comparação com a mesma data do ano passado. Na última terça-feira, ambas acumulavam um total de 30% e 54%, respectivamente, sendo que na mesma data de 2020 os volumes estavam em 26% e 49%.

Por outro lado, a represa de Paraitinga, por exemplo, sofreu uma queda significativa de uma data para outra. No dia 22 de junho do ano passado, o volume total nesta bacia era de 73%, passando para 30% há dois dias, segundo os dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

O mesmo ocorreu na represa de Ponte Nova, também com uma queda considerável de um período para o outro. No dia 22 de junho de 2020, a Sabesp apontava que a bacia reservava um total de 92% de sua capacidade, passando para 67% na terça-feira.

Um dos motivos na redução do volume de água nas represas pode ser atribuído às quedas na frequência de chuvas nesta época. No início do ano retrasado, por exemplo, Mogi das Cruzes enfrentou sérios casos de alagamentos, com famílias ilhadas pelas chuvas daquela temporada. Em contrapartida, no início deste ano as chuvas ocorreram com menor intensidade e não houve tantos registros de alagamentos.

Por fim, a represa de Jundiaí passou de um volume de 40% no dia 22 de junho do ano passado para 28% há dois dias. Na média, o volume total das cinco represas diminuiu de 73% para 55% entre os dois períodos analisados.

Deixe uma resposta

Comentários