Câmara aprova programa de incentivo aos jovens de Mogi

Autor do projeto, Osvaldo da Silva falou
sobre a falta de incentivo para os jovens
Autor do projeto, Osvaldo da Silva falou sobre a falta de incentivo para os jovens - FOTO: Fotos: Divulgação/CMMC

A Câmara de Vereadores de Mogi das Cruzes aprovou na tarde de ontem um projeto de lei que institui o programa EmpreJovem, voltado ao incentivo da contratação de jovens para o primeiro emprego. A matéria foi aprovada por unanimidade dos membros do Legislativo.

O projeto de lei 08/2021, de autoria do vereador Osvaldo Antonio da Silva (REP), foi protocolado no início do ano, com o intuito de estimular a inserção do jovem no mercado de trabalho mogiano, nos setores da indústria, comércio e prestação de serviços. O programa seria destinado prioritariamente aos alunos da rede pública de ensino do município.

"Foi um ponto de nossa campanha: como cobrar experiência de quem nem começou? Falta incentivo em desenvolver nossos talentos", defendeu o republicano.

A matéria em pauta contou com apoio de todos os grupos políticos da Casa de Leis mogiana. A vereadora Maria Luiza Fernandes (SD), a Malu Fernandes, reforçou que o público jovem vem sendo o mais impactado pela crise econômica que atinge o país, em que já foi atingida a marca de mais de 15 milhões de pessoas desempregadas. Iduigues Martins (PT) ressaltou que o caráter predatório do mercado de trabalho faz com que não haja intervalo para o treinamento de novos quadros.

O vereador Milton Lins da Silva (PSD), o BiGêmeos, ressaltou também o trabalho da Associação Mogiana Oficina dos Aprendizes (Amoa), que prepara adolescentes para o mercado de trabalho com cursos profissionalizantes. "Eu fui um jovem-aprendiz, comecei como office-boy, e o jovem quer trabalhar para ter sua renda e independência, só precisa de um espaço", apontou.

A Câmara também aprovou o projeto de lei 20/2021, de autoria do vereador José Luiz Furtado (PSDB), o Zé Luiz, que estabelece a garantia de aquisição de livros para pessoas com deficiência visual. Em sua justificativa, Zé Luiz reforçou a necessidade de garantir a inclusão de portadores de deficiência em todos os serviços oferecidos pelo município, incluindo o direito ao lazer e à cultura.

A vereadora Inês Paz (Psol) apoiou a iniciativa, reforçando que a inserção de um aluno com deficiência na rede de ensino, sem a devida disposição dos meios para se integrar, pode gerar apenas a exclusão dentro do ambiente escolar. O vereador Maurino José da Silva (Pode), o Policial Maurino, lembrou o legado do francês Louis Braille, criador do sistema internacional de leitura para cegos, e que o acesso desta parcela da população à literatura e o entretenimento são fundamentais para o andamento da sociedade.

Projeto sob vistas

A sessão da Câmara chegou a iniciar as discussões do projeto de lei 03/2021, de autoria do vereador Mauro Margarido (PSDB), o Maurinho do Despachante, que disciplina as atividades de malabarismo e demonstrações em vias públicas.

No entanto, Inês Paz pediu vistas ao projeto, com o intuito de tirar dúvidas sobre alguns dos artigos que, em sua justificativa, poderiam ter duplo sentido e implicar na marginalização da atividade.

Deixe uma resposta

Comentários