Reforma triplicará capacidade de bombeamento de esgoto

Elevatória é a principal unidade de bombeamento de esgotos de Jundiapeba
Elevatória é a principal unidade de bombeamento de esgotos de Jundiapeba - FOTO: Divulgação/PMMC

As obras de readequações estruturais e melhorias nos sistemas elétrico, hidráulico e mecânico da Estação Elevatória de Esgoto Indonésia, que estão sendo realizadas pelo Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), chegam a 90% de execução. O investimento da autarquia, incluindo a construção de rede de recalque e muro de gabião, é de cerca de R$ 4,3 milhões. A reforma ampliará em quase três vezes a capacidade de bombeamento de esgoto: a vazão média passará dos atuais 50 litros por segundo para 140 litros por segundo, com capacidade máxima para até 270 litros por segundo (cinco vezes maior que a vazão atual). A elevatória é a principal unidade de bombeamento de esgotos de Jundiapeba.

Como já adotado em outras três elevatórias modernizadas (Dolores de Aquino, em Jundiapeba; Bambuzal, no Conjunto Toyama 2, e Oceania, no Jardim Aeroporto 2), o Semae passará a utilizar, na Indonésia, uma tecnologia inovadora para o bombeamento de efluentes, com bombas que ficam na superfície, facilitando a operação e a manutenção e melhorando as condições de salubridade e segurança.

Também está incluída na modernização a instalação de um triturador para evitar que materiais sólidos lançados na rede comprometam a operação, eliminando o lixo e partículas que poderiam interferir no funcionamento das bombas. As partículas são os materiais jogados de forma irregular no sistema de esgoto.

É comum as equipes responsáveis pela manutenção da rede retirarem das tubulações vários detritos como gordura solidificada, pedaços de madeira e de colchão, por exemplo. São materiais que jamais poderiam estar na tubulação de esgoto. O triturador é também uma alternativa à grade de retenção que tem de ser limpa constantemente para retirada de resíduos.

As estações elevatórias são estruturas importantes dentro do sistema de esgotamento sanitário. Elas fazem o bombeamento de esgoto de redes profundas para um nível mais alto. Já a linha de recalque é a tubulação que conduz os efluentes da elevatória até um ponto a partir do qual possa seguir por gravidade até uma unidade de tratamento.

Muro contra erosões

Além da reforma e modernização da estação, a autarquia também construiu no local um muro de proteção contra erosões para a tubulação que fará o encaminhamento do esgoto para tratamento. A estrutura é de gabião (malha de aço preenchida com pedras). O Semae já concluiu a primeira etapa e a fase final será licitada, num investimento previsto de R$ 389 mil.