Semae intensifica ações de caça-vazamentos

Geofonamento agiliza manutenção preventiva e corretiva
Geofonamento agiliza manutenção preventiva e corretiva - FOTO: Divulgação/Semae

Com os alertas de estiagem e escassez hídrica emitidos por órgãos nacionais de meteorologia, com previsão de poucas chuvas para os próximos meses, o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae) de Mogi das Cruzes segue intensificando as ações de caça-vazamentos para reduzir perdas de água, por meio do geofonamento, que identifica vazamentos que ainda não afloraram à superfície, mas permanece embaixo da terra. A verificação é feita nas redes e ramais (tubulações que ligam a rede de distribuição da rua aos imóveis), com equipamentos mecânicos e eletrônicos que detectam ruídos.

Com o uso desta técnica, a autarquia aumentou sua eficácia no combate aos vazamentos com um acréscimo de mais de 40% na média mensal de manutenções. No ano passado, foram realizados 667 reparos por mês, em média. De janeiro a maio de 2021, o número subiu para 944.

Isso não significa que o número de vazamentos seja maior do que antes. Este aumento é resultado da intensificação do geofonamento, que permite a localização de vazamentos não-visíveis e a rápida solução do problema.

De 1º de janeiro a 31 de maio de 2021, o Semae já inspecionou 366 quilômetros de tubulações com o uso de geofones. Somente no mês de maio a autarquia conseguiu identificar mais de 150 vazamentos antes mesmo que se tornassem visíveis.

Vazamentos não visíveis ocasionam desperdício de água e transtornos aos moradores, já que reduzem a pressão nas redes, podendo causar até desabastecimento. A metodologia do geofonamento aprimora atuação das equipes, ao agilizar manutenções preventivas e corretivas.

Outra ação no combate ao desperdício é a substituição de ramais, em vez do reparo.