Mogi aguarda para agosto o retorno das cirurgias eletivas

Preocupação é com as filas de espera das cirurgias após período de paralisação
Preocupação é com as filas de espera das cirurgias após período de paralisação - FOTO: Divulgação/Ministério da Saúde

A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou ontem que aguarda para o próximo mês a possibilidade de retomada das cirurgias consideradas como não-emergenciais, as cirurgias eletivas, interrompidas pela pandemia da Covid.

As cirurgias eletivas foram interrompidas no início do ano com o aumento do número de casos e mortes, no que foi denominada segunda onda da pandemia. Em alguns Estados, como no Ceará, as Secretarias da Saúde começam a realizar o planejamento das intervenções.

A Secretaria de Saúde de Mogi das Cruzes informou que continua realizando o encaminhamento por meio da Central de Regulação da Oferta de Serviços de Saúde (Cross) em cada especialidade necessária, cabendo ao profissional, a partir daí, decidir ou não pelo procedimento cirúrgico.

A Pasta informa que a cidade conta com dois meios para cirurgias eletivas: o sistema Cross e uma parceria mantida com o Sepaco. "Para o Hospital Municipal não há previsão, porque a unidade hospitalar funciona exclusivamente como referência para Covid-19. A Santa Casa já retomou as cirurgias de oftalmologia, para catarata", esclareceu. A Secretaria tem a expectativa de reabertura por parte do Estado para agosto.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado da Saúde informou que segue com o monitoramento da pandemia. "Em virtude da necessidade de salvar vidas e priorizar atendimento aos casos de urgência e emergência em meio à pandemia, consultas, cirurgias e procedimentos eletivos podem ser agendados ou reprogramados com base em avaliação caso a caso, dependendo da orientação médica e do quadro do paciente", informou em nota.

Sobre o número de pacientes que aguardam no Estado e na região, o Palácio dos Bandeirantes não informou o total. "Esta demanda é descentralizada na rede, considerando que há regulações municipais ou regionais, com os respectivos serviços de referência para sua área de abrangência. O encaminhamento de pacientes é de responsabilidade dos municípios", concluiu.

A Secretaria de Saúde de Suzano, por sua vez, informou que segue as diretrizes federais e estaduais, que estabelecem a suspensão das cirurgias eletivas, mas que a cidade vem trabalhando para atender à demanda local, na qual foi realizado um mutirão de exames ginecológicos Papanicolau, com mais de mil mulheres atendidas.

Sobre a demanda reprimida da cidade, a Pasta informou que tem feito o acolhimento e encaminhamento ao governo do Estado, e que a administração municipal segue buscando parcerias com o Estado e a União para dar fluidez ao atendimento. "É importante frisar que o município também tem feito procedimentos de média e alta complexidade. Com isso, os pedidos acolhidos referem-se às cirurgias pequenas e de esterilização, com demanda de 52 e 179 respectivamente", informou.

A Prefeitura de Poá informou que o Hospital Municipal Dr. Guido Guida atende somente como pronto-socorro e para casos de emergência, e que os casos são encaminhados para outros hospitais de referência da região. As Prefeituras de Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos informaram por nota que não possuem estrutura para cirurgias eletivas.

Deixe uma resposta

Comentários