Primeiro gabinete de articulação municipal inicia suas atividades

Encontro contou com cerca de 50 representantes
Encontro contou com cerca de 50 representantes - FOTO: Divulgação/PMMC

Mogi das Cruzes realizou na manhã de ontem a primeira reunião do Gabinete de Articulação para Enfrentamento da Pandemia na Educação (Gaepe), instituído pela Prefeitura de Mogi das Cruzes em parceria com o Instituto Articule. O município é o primeiro no país a instituir o gabinete municipal. O Gaepe já está em funcionamento no formato nacional com o Gaepe Brasil e nos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Neste primeiro encontro online estiveram presentes cerca de 50 representantes dos poderes executivo, judiciário, legislativo, além de órgãos de controle e organizações da sociedade civil.

Cada setor apresentou suas reflexões sobre os impactos da pandemia na Educação e os temas que podem ser tratados pelo gabinete. As reuniões serão mensais. "O Gaepe Mogi une esforços entre as diversas frentes. É muito importante para suprir os desafios que já estão postos pela pandemia da Covid-19 e os que virão. Todas as ideias são muito bem-vindas e nosso foco é na formação da nova geração de mogianos", destacou o prefeito Caio Cunha (Pode).

Os temas que o grupo apontou inicialmente foram a preocupação com a volta segura às aulas, a vacinação dos profissionais, a articulação da rede de proteção de crianças e adolescentes, a comunicação com as famílias e o uso da tecnologia na educação. "Mogi vai ser uma referência nesse formato de diálogo para todos os municípios do Brasil. Vimos nesta primeira reunião que em Mogi a educação é prioridade. Temos um grande mosaico de temas para trabalhar", disse Alessandra Gotti, presidente-executiva do Instituto Articule.

O secretário de Educação, André Stábile, destacou a importância da união de todos para superação dos desafios da pandemia do coronavírus. "A pandemia representa o maior desafio que a nossa geração está vivendo e vai viver nos próximos anos. Isoladamente não conseguiríamos superar este desafio. Com o Gaepe vamos trabalhar em um grupo organizado para termos condições de dar uma resposta nesse nível", disse. O secretário adjunto da Pasta,Caio Callegari, também participou da reunião.

Participante dos Gaepes que já estão em funcionamento, Cezar Miola, vice-presidente e presidente do Comitê Técnico da Educação do Instituto Rui Barbosa (IRB), membro do Conselho Deliberativo da Associação dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul parabenizou o município pela iniciativa e contou sobre sua experiência. "Os Gaepes fazem parte do processo de aproximação e diálogo. São frutos do comprometimento e da dedicação de pessoas. Esta reunião demonstrou a força transformadora que detemos no ambiente governamental e na sociedade pelo direito fundamental à educação", disse.

O poder judiciário esteve presente com representantes do Ministério Público e da Defensoria Pública. "Para nós é importante participar desse grupo, efetivamente, trazendo nossas contribuições. É um grupo horizontal, com uma discussão aberta, em que podemos ver cada ponto de vista e realidade", disse Bruno Camargo Ferreira, promotor de Educação. Também estiveram presentes os membros do MPSP Reinaldo Iori Neto, Fernando Pascoal Lupo e a coordenadora da Defensoria, Roberta Marques Benazzi VillaVerde.

A vereadora Malu Fernandes (Solidariedade), que preside a Comissão de Educação da Câmara Municipal, apontou a necessidade do trabalho coletivo. "A pandemia é um problema complexo e precisa da união de todos os atores para construir soluções em conjunto", disse.

A vice-prefeita Priscila Yamagami Kähler também ressaltou a importância do professor e a oportunidade de contar o Gaepe Mogi em benefício da educação. "Levantar essa bandeira da educação junto a esses atores, toda essa teia que forma o Gaepe é fundamental. Nosso propósito é envolver verdadeiramente os professores. Precisamos do professor pleno para renovarmos a educação e preparar nossos alunos para o futuro", disse.