Região chega a 5.013 mortos

O Alto Tietê chegou ontem a triste marca de 5.013 mortes causadas por coronavírus (Covid-19). O primeiro óbito ocorreu em 24 de março do ano passado, em Suzano, e desde, então, a região teve poucos dias em que não registrou nenhuma vítima fatal da doença. Em média foram, 10,6 mortes por coronavírus diariamente. A barreira das 5 mil mortes, e outros dados da pandemia no bloco regional, foram divulgados ontem pelo Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

Somente em Mogi das Cruzes, a cidade mais populosa entre as dez, a Covid-19 vitimou 1.568 moradores até a noite passada, o que corresponde a 31,2% de todos os falecimentos na região. Em contrapartida, 31.476 se contaminaram com o vírus e se recuperaram da doença com os devidos cuidados clínicos. Para algumas pessoas, a internação, e até mesmo a intubação é necessária. No total, o Condemat apontou que um total de 34.655 pessoas já contraíram o vírus ao longo desta pandemia. É possível que existam casos subnotificados que não entraram neste levantamento, como das pessoas que se infectaram com a Covid-19, mas não realizaram as testagens ou não apresentaram sintomas

Somente nas cinco cidades mais populosas da região, ou seja, em Mogi, Itaquaquecetuba, Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Poá, as 4.214 pessoas que não resistiram às complicações da Covid-19. Esse volume correspondem a 84% do total das mortes. Isto é, a maior parte dos óbitos ocorreram no G5 do Alto Tietê.

Por cidades

De forma mais detalhada, as cidades onde mais ocorreram falecimentos pela Covid-19 deste grupo mais populoso, após Mogi está Itaquá, com 940 óbitos, ultrapassando a quantidade em Suzano (878), Ferraz (464) e Poá (364).

Além dos 5.013 moradores da região que foram a óbito pela doença em todo o Alto Tietê desde o dia 24 de março do ano passado, 118.260 receberam diagnósticos positivos para o vírus e 98.935 se recuperaram. Outras 247.723 pessoas realizaram os testes para a Covid-19 e os resultados foram negativos.