Mogiano encara luto e assume a casa após a morte da esposa

Ronaldo Rodrigues perdeu a esposa, Luciane, há quatro meses para a Covid-19
Ronaldo Rodrigues perdeu a esposa, Luciane, há quatro meses para a Covid-19 - FOTO: Arquivo pessoal

O Dia dos Pais, celebrado hoje em todo o país, sempre traz uma lembrança de infância que quase todo mundo carrega, mas desde o ano passado, para muitas pessoas, essas lembranças vão ficar mais difíceis de serem apagadas, uma vez que a pandemia de coronavírus (Covid-19) vitimou muitas pessoas no Alto Tietê e, sem dúvida, boa parte delas, senão a maior, era composta por homens que já haviam alcançado a paternidade. Muitos vão lembrar deles hoje, e nada mais justo prestar aquela homenagem merecida.

Mas há o outro lado, muitas famílias perderam as mães para a Covid e a casa, que muitas vezes tem as tarefas divididas entre o casal, além da criação dos filhos, precisou ser assumida pelo homem. Uma dessas muitas pessoas que encararam esse trabalho é o funcionário público de Mogi das Cruzes, Ronaldo Rodrigues, de 46 anos, que perdeu a esposa, Luciane Souza Rodrigues, 50, para a Covid há quatro meses, após uma batalha de 24 dias em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital da região.

Além da perda da esposa para o coronavírus, o funcionário público se viu só na gestão da casa. "Na verdade, não teve jeito, acabou sendo forçado. Nós, homens, já temos a liderança natural da casa, mas agora tudo ficou dobrado. A gente sente quando perde. Temos de ser pai e mãe ao mesmo tempo", detalhou.

Neste meio tempo, Rodrigues e os filhos, Gustavo de 15 e Arine, de 30 anos, encararam a situação e voltaram a frequentar os mesmos locais que visitavam quando Luciane estava presente. "Nós quebramos este paradigma de que não podemos fazer a três o que antes fazíamos a quatro, com minha esposa. Começamos a frequentar os mesmos lugares que íamos com ela e as barreiras têm sido quebradas", explicou o mogiano, citando um dos restaurantes favoritos da família como exemplo.

De acordo com ele, após a perda da esposa, foi difícil retornar ao estabelecimento nas primeiras vezes, mas agora, com quase dez visitas, tem sido cada vez menos doloroso estar nos lugares sem a presença da mulher. Para ele, os três se tornaram mais unidos, já que tentam aproveitar todo o tempo em conjunto com qualidade. "Foi com certeza uma perda muito grande e, além do meu sofrimento, também sofro em ver os meus filhos tristes pela morte da mãe. Assim, preciso me mostrar mais forte para que eu consiga cuidar deles, um dos últimos pedidos da minha esposa para mim", definiu o mogiano.

Luto das crianças

Um estudo publicado na revista científica The Lancet estima que mais de 87,5 mil menores de 18 anos tenham perdido o pai para Covid-19 no Brasil. A figura paterna é essencial para o desenvolvimento emocional, social e psicológico de crianças e adolescentes.

O levantamento realizado entre março de 2020 e abril de 2021 levou em consideração as taxas de natalidade e de mortes por Covid-19 em 21 países que somam 76,4% dos óbitos no mundo. No total, pelo menos 1,5 milhão de crianças no mundo perderam um dos pais ou avós responsáveis. No Brasil, 2,4 crianças a cada mil foram afetadas.