Gorinchteyn diz que vacinas devem ser melhor distribuídas

Jean Gorinchteyn abordou temas ligados à Covid-19
Jean Gorinchteyn abordou temas ligados à Covid-19 - FOTO: Mogi News/Arquivo

O secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, visitou na noite de ontem a Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) para uma série de encontros com reitores e alunos. O secretário também promoveu uma entrevista coletiva à imprensa para falar sobre o andamento da gestão estadual da pandemia de coronavírus (Covid-19).

Questionado sobre a situação da cobertura vacinal do Alto Tietê, que nos rankings estaduais apresenta-se entre as piores do Estado. Gorinchteyn atribuiu à oferta reduzida de vacinas e a necessidade de distribuição equalizada entre todas as regiões como um dos pontos do andamento da campanha de vacinação, mas também fez um apelo para que prefeitos e secretários de Saúde se comprometam com o envio de dados para a plataforma VaciVida, ao que chamou de "subnotificação".

O secretário mencionou sobre a necessidade de aceleração em todo o Estado do processo de vacinação contra a Covid-19, estabelecendo que a partir do dia 16 de agosto a expectativa é de que toda a população com mais de 18 anos no Estado já tenha recebido a primeira dose contra a vacina, o que foi chamado de "Dia da Esperança". "Temos um compromisso do Estado para que, a partir do dia 18 de agosto, começaremos a vacinação para crianças entre 12 e 17 anos, começando com os grupos com comorbidades. Todos os detalhes serão revelados na entrevista coletiva do governo do Estado nesta quarta-feira (hoje)", informou.

Com a presença do prefeito Caio Cunha (Pode) e do ex-secretário de Saúde de Mogi das Cruzes, Henrique Naufel, Gorinchteyn elogiou o trabalho realizado pelo ex-titular da Pasta entre 2020 e 2021, reiterando que as ações tomadas no município foram de acordo com as necessidades impostas pela pandemia. "Não tenho dúvida que a presença do professor Naufel foi extremamente determinante para que Mogi tivesse o enfrentamento correto e uníssono, repercutindo a liderança no Alto Tietê. Se não tivéssemos alguém tão capacitado, Mogi teria tido um impacto dramático na pandemia", elogiou.

Cirurgias eletivas

Sobre uma possível retomada das cirurgias eletivas e a utilização dos equipamentos hospitalares estaduais na etapa pós-pandemia, o titular estadual da Saúde informou que será realizado um movimento prezando o bem-estar dos pacientes. "Sabemos que precisamos retomar as cirurgias eletivas, mas esta etapa de mudança tem que ser responsável. Vamos desmobilizar, mediante disponibilidade, os leitos exclusivos para Covid-19 para outras doenças que precisam de atenção e que não foram tratadas pela pandemia, dando prioridade para procedimentos que não precisam de internação ou de sedação", informou.

Sobre os hospitais regionais, Gorinchteyn lembrou que alguns estudos estão sendo feitos sobre a atuação de hospitais de retaguarda, como o Hospital das Clínicas de Suzano que, segundo o secretário, poderão atender ao município e à região de forma mais ampla.

Variante Delta

Confrontado sobre a possibilidade de uma terceira onda de contaminações com a variante Delta, de origem indiana, o chefe da Saúde estadual reforçou que a união entre a utilização obrigatória de máscaras e a manutenção de protocolos de saúde, com o aumento da cobertura vacinal, poderão refrear o impacto da nova cepa viral. "As máscaras e as vacinas ajudam a impedir que esta nova variante ganhe notoriedade e gravidade. No Reino Unido pararam de usar máscaras, o mesmo em Israel, e isto não tem acontecido aqui", concluiu.