CS Brasil e Peralta são convidadas a esclarecer o contrato do lixo

Empresas devem comparecer à Câmara para dar detalhes sobre o documento
Empresas devem comparecer à Câmara para dar detalhes sobre o documento - FOTO: Diego Barbieri/CMMC

A Câmara de Mogi das Cruzes aprovou na sessão de ontem o requerimento verbal do vereador José Luiz Furtado (PSDB), o Zé Luiz, para convidar representantes das empresas Peralta Ambiental e CS Brasil com o intuito de esclarecer a assinatura do contrato emergencial para a coleta de lixo no município.

A questão envolvendo o termo com a empresa Peralta Ambiental teve início na última quarta-feira, com o término do contrato emergencial entre a municipalidade e a CS Brasil, que vinha operando na coleta, triagem e destinação do lixo sólido residencial.

O contrato, com duração de 180 dias, foi estipulado pelo Executivo como solução temporária até a definição da Parceria Público-Privada (PPP) para o serviço na cidade.

Desde então, vereadores de diversos partidos têm realizado críticas à condução do assunto por parte da Prefeitura, questionando inclusive os valores assinados no contrato, que pode chegar a R$ 6,7 milhões por mês, mediante a quantidade de resíduos coletados.

O vereador Francimário Vieira (PL), o Farofa, reiterou que a matéria é de suma importância para a população, devido às dimensões e população de Mogi. "Temos de saber se a empresa tem estrutura para uma cidade de 500 mil habitantes, 138 bairros e seis distritos. Caso eles não venham a atender nosso convite, devemos judicializar", rogou.

Além de críticas ao prefeito Caio Cunha (Pode), o caso rendeu cenas inusitadas na Câmara. Na sessão de terça-feira, dois documentos foram aprovados separadamente tratando do mesmo assunto: a indicação 1652/2021, de autoria de seis vereadores (Iduigues Martins-PT, Inês Paz-Psol, Juliano Botelho-PSB, Zé Luiz-PSDB, Carlos Lucareski-PV e Farofa-PL), pedindo que o Executivo fiscalize a sede da Peralta Ambiental, localizada no Rodeio, sob alegações de insalubridade aos profissionais; e um requerimento assinado pelos outros 16 vereadores, pedindo mais informações sobre detalhes do contrato e justificativas para os valores repassados.

Discriminação

Duas matérias relacionadas ao combate à discriminação racial foram aprovadas ontem pela Câmara. A primeira foi a Moção de Repúdio 120/2021, de autoria do vereador Edinho do Salão (MDB), contra os seguranças de um supermercado na cidade de Limeira-SP. Sob alegação de furto na loja, os agentes particulares constrangeram um homem afrodescendente ao o obrigarem a tirar as roupas em um local público.

Na mesma sessão, os vereadores, por unanimidade, aprovaram o Projeto de Lei 63/2021 que institui a criação da Semana Negro Sim, com homenagens a integrantes da comunidade negra, a realização de palestras e cursos reforçando o combate à desigualdade racial, o racismo e o preconceito na sociedade contemporânea.

Deixe uma resposta

Comentários