Lideranças prometem seguir na luta contra o pedágio na SP-88

Expectativa do Estado é criar um pedágio na rodovia
Expectativa do Estado é criar um pedágio na rodovia - FOTO: Mariana Acioli

Mogi - Lideranças da sociedade civil comentaram ontem a repercussão do ato "Mogi Não Vai Ter Pedágio", organizado pela Prefeitura contra o projeto da Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) de conceder uma praça de pedágio à iniciativa privada na rodovia Mogi-Dutra (SP-88).

O evento, realizado anteontem no Theatro Vasques, na região central, reuniu atores políticos, lideranças comunitárias e coordenadores dos movimentos contra a praça de cobrança. O evento fez uma prestação de conta das ações da administração municipal e apresentou uma pesquisa de opinião sobre o posicionamento amostral da população.

Paulo Bocuzzi, coordenador do movimento "Pedágio Não", afirmou ter ficado surpreso com o alcance da adesão da comunidade ao ato promovido na região central de Mogi. "Foi animador ver a coesão da comunidade em torno deste ato", afirmou.

Questionado sobre articulações para novas ações, Bocuzzi informou que novos atos estão sendo pensados pela coordenação do movimento, e que tomarão como ponto de partida as novas movimentações da Artesp e do governo do Estado, principalmente a reapresentação do edital que deverá remover os chamados "trechos urbanos", alegando uma atuação mais estratégica do movimento.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomércio), Valterli Martinez, também mostrou-se otimista com a adesão da população, somando-se aos esforços também realizados pela entidade, e que foi enviada uma carta ao governo do Estado alertando dos perigos a consumidores e empreendedores de Mogi das Cruzes e região. "A história vai marcar os responsáveis pelo pedágio na Mogi Dutra. O legado será catastrófico com os responsáveis, e a história marcará para sempre aqueles que comprometeram esta via essencial para o desenvolvimento econômico", informa a nota.

Martinez também informou que o Sincomércio começará uma nova campanha de conscientização com comerciantes do município, com a distribuição de materiais visuais alertando dos perigos do pedágio. "Diga sim ao comércio de Mogi, e diga não ao pedágio", dirá a mensagem.

A Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC), por nota, reiterou que tem se posicionado contra o projeto, reforçando os resultados da pesquisa de opinião apresentada pela Prefeitura na terça-feira. "A ACMC tem participado ativamente de reuniões, ações e articulações com a Administração Municipal e outras entidades", apontou.

A Associação Gestora do Distrito do Taboão (Agestab) informou que a entidade já participa ativamente da mobilização contra o pedágio, e que o tema foi tratado ontem na reunião mensal da entidade.

Deixe uma resposta

Comentários