Prefeitura de Mogi estuda criação de Frente de Trabalho nos bairros

Iniciativa pode ocorrer me bairros com recursos suplementares de programa
Iniciativa pode ocorrer me bairros com recursos suplementares de programa - FOTO: Guilherme Berti/PMMC

Durante o evento com jornalistas realizado na manhã de hoje na Prefeitura de Mogi das Cruzes, o prefeito Caio Cunha (Pode) informou que está em fase de estudos a criação de uma frente de trabalho nos bairros, com recursos suplementares do programa “Auxílio Empresarial Mogiano”.

A declaração foi feita a jornalistas durante a apresentação do calendário de eventos em celebração aos 461 anos de fundação do município. O prefeito de Mogi, juntamente com a vice-prefeita Priscila Yamagami Kehler (Pode) e da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Simone Margenet Cunha.

A apresentação do projeto foi feita durante a apresentação do balanço das ações voltadas ao auxílio da população no período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) realizadas no primeiro semestre do ano, como o “Auxílio Emergencial Mogiano” que concedeu três parcelas de R$100 para famílias em situação de vulnerabilidade, e do “Auxílio Empresarial Mogiano”, voltado para micro e pequenas empresas.

À época do lançamento do programa, a Prefeitura de Mogi das Cruzes tinha uma estimativa de adesão de até 7.687 micro e pequenas empresas com até cinco funcionários que são integrantes do sistema tributário Simples Nacional. No entanto, no final do período de inscrições, 854 empresas se cadastraram para o benefício, que previa de R$300 a R$1500 em repasses por um período estabelecido.

Na visão da Prefeitura de Mogi das Cruzes, as equipes poderão atuar nos bairros, aproximando ainda mais o poder público da população. Segundo o prefeito de Mogi das Cruzes, a frente de trabalho seria uma solução não apenas para o auxílio na questão do emprego e renda, mas também da qualificação profissional. “A frente de trabalho permitirá que o seu participante possa ter uma nova chance de reposicionamento no mercado de trabalho”, declarou.

Questionada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico afirmou que o programa terá como objetivo promover o aquecimento da economia em um momento de retomada das atividades econômicas. “Assim que todos os pontos da proposta estiverem alinhados, será realizada a divulgação oficial à Imprensa”, informou a pasta em nota oficial.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do governo federal, a cidade de Mogi das Cruzes no mês de julho teve um saldo positivo de 242 vagas de emprego (uma variação positiva de 0,24%). No entanto, o setor de prestação de serviços foi o que teve o maior número de dispensas, com 1.833 admissões e 1.877 demissões - um saldo negativo de 44 vagas (variação de 0.09%).

Deixe uma resposta

Comentários