G5 do Alto Tietê registra 105 queimadas ao longo deste ano

Em todo o Estado foram registrados 1,6 mil focos desde o começo do ano
Em todo o Estado foram registrados 1,6 mil focos desde o começo do ano - FOTO: Mogi News/Arquivo

Região - As prefeituras das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê, o G5 regional, informaram durante a semana o andamento dos trabalhos de fiscalização contra queimadas durante o ano de 2021.

A preocupação surgiu por parte do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que, em seu levantamento via satélite dos pontos de queimada no país no mês de agosto, registrou mais de 1,6 mil focos de queimada apenas no Estado de São Paulo, sendo considerado um dos piores meses na avaliação do instituto nos últimos anos.

No Alto Tietê, foram registrados desde o início do ano pelo menos 105 casos de incêndio em cidades da região. As informações foram passadas por Mogi das Cruzes, Suzano, Poá, Ferraz de Vasconcelos e Itaquaquecetuba.

A cidade que teve o maior número de casos de incêndio registrados foi Itaquá, que desde o início do ano teve 41 casos registrados, com seis ocorrências durante o mês de agosto. Questionada pela reportagem, não foram informados os números de multas, autuações e prisões realizadas pelas autoridades locais por queimada.

Em segundo lugar está Suzano que, por meio da administração municipal, informou que foram registrados 28 casos de incêndio desde o início do ano, sendo 18 no mês passado. Deste total, cinco casos foram notificados pelo departamento de Fiscalização, em conjunto com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

A cidade de Poá declarou que, desde o início do ano, foram registradas 25 queimadas em seu território urbano, sendo 11 apenas no mês de agosto. Sobre a ação de fiscalização, a Prefeitura informou que quatro pessoas foram multadas por queimadas ao longo do ano.

Ferraz de Vasconcelos informou por nota que não foram efetuadas multas em decorrência de queimadas, no caso de flagrante onde o indivíduo é visto colocando fogo em mata. "A Guarda Civil Municipal (GCM) mantém constante fiscalização - no entanto esclarece que a maioria dos casos é em decorrência de combustão natural da mata rasteira, ou seja, sem a intervenção humana direta", informou.

A Secretaria de Segurança de Mogi das Cruzes, por sua vez, informou que foram registradas 11 autuações por queimadas ao longo de 2021, sendo duas no mês de agosto. "A multa para flagrantes varia de R$10 por metro quadrado para áreas de mata e de preservação ambiental a R$ 1 por metro quadrado para demais áreas, com valor mínimo de R$ 300", disse o município em nota.

A administração municipal pede o auxílio da população nas denúncias contra autores de queimadas por meio do telefone da Central Integrada de Emergências Públicas (Ciemp), vinculada à Guarda Municipal, no número 153. O atendimento é 24 horas por dia.

 

Deixe uma resposta

Comentários