Marco Bertaiolli participa de seminário em Brasília

Região - Aproximar o Brasil real, do Brasil que faz as leis. Criar um ambiente de negócios seguro, que gere empregos e fomente novos negócios, preservando e incentivando a abertura de empresas. Esse foi o tom do discurso do deputado federal, Marco Bertaiolli (PSD-SP), coordenador da Frente Parlamentar do Empreendedorismo no seminário Os Desafios de Empreender e Gerar Empregos, realizado pelo Instituto Unidos Brasil, anteontem, em Brasília.

"É preciso acabar com os obstáculos legislativos, administrativos e corporativos que impendem a geração plena de empregos. É preciso dar segurança ao empreendedor para que ele invista e mantenha seus negócios no país. Sem empresa, não há emprego e sem emprego não há desenvolvimento econômico e social", destacou o deputado, que também é vice-presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços do Congresso Nacional.

Bertaiolli apresentou dados que mostram que o país começa a sair da crise, mas mesmo assim o deputado avalia que ainda se está muito distante de uma realidade ideal. "Não estamos nem perto de uma situação aceitável. Cerca de 54 milhões de pessoas estão abaixo da linha da pobreza e vivem com uma renda per capita de menos de 500 reais por mês".

O deputado destacou ainda a última pesquisa do IBGE que aponta um total de aproximadamente 13,7 milhões de desempregados. O levantamento tem como base os meses de junho, julho e agosto e demonstra uma pequena queda em relação ao trimestre anterior, quando este número passava de 14 milhões. "Isso demonstra que depois desta pandemia econômica, o Brasil começa a dar os primeiros sinais de recuperação, por isso, o momento agora é de foco, transparência e muita seriedade, deixando as picuinhas de lado e colocando o país acima das colorações partidárias".

Em sua apresentação, o deputado salientou ainda que a prioridade da FPE é construir um ambiente favorável, previsível e de redução da burocracia para enfrentar o desemprego. Segundo ele, a realização das reformas estruturais é necessária dentro desse contexto.

"O nosso país precisa de previsibilidade para fomentar o empreendedorismo [...] As reformas estruturais precisam de um ambiente seguro e positivo, para que se aproximem da sociedade", disse, apontando ainda a simplificação do sistema tributário como uma prioridade para melhorar o ambiente de negócios.