Joe Biden assina pacote fiscal 'histórico' de US$ 1,9 trilhão

Pacote significa a primeira vitória legislativa do democrata
Pacote significa a primeira vitória legislativa do democrata - FOTO: Divulgação

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou na tarde desta quinta-feira, 11, o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão. Em breve cerimônia na Casa Branca, ele enfatizou a importância da medida, no momento em que o país tenta se recuperar do choque da covid-19. "Esta legislação histórica busca reconstruir a espinha dorsal deste país", elogiou.

Biden disse que, com o pacote, será possível dar à classe trabalhadora e à classe média "uma chance de lutar". E também comentou que terá mais a dizer sobre a covid-19 em discurso nesta noite, bem como em uma viagem que planeja para a próxima semana.

Primeiro vitória legislativa do democrata, que assumiu o cargo em 20 de janeiro, a proposta de estímulos passou nesta quarta-feira, 10, na Câmara dos Representantes, após já ter tramitado pelo Senado. A cerimônia na Casa Branca estava marcada para a sexta, mas foi adiantada para esta quinta porque a aprovação da lei no Congresso ocorreu antes do esperado pelo mandatário.

A legislação inclui US$ 350 bilhões em ajuda financeira a governos estaduais e locais, pagamentos diretos de US$ 1,4 mil para indivíduos que ganham até US$ 75 mil por ano, a extensão dos benefícios de auxílio-desemprego de US$ 300 por semana, além de US$ 130 bilhões para escolas e US$ 14 bilhões para acelerar a distribuição de vacinas contra a covid-19. A medida mais polêmica, o aumento do salário mínimo do país de US$ 7,25 para US$ 15 a hora, foi retirada da proposta no Senado para agradar à ala mais moderada do partido.

Na quarta, o pacote passou na Câmara com 220 votos favoráveis e 211 contrários. Nenhum republicano votou a favor da aprovação da lei, enquanto apenas um democrata votou contra. A proposta de estímulos já havia sido aprovada na Casa no final de fevereiro, mas voltou para análise dos deputados após sofrer alterações no Senado.

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, elencou nesta quinta-feira as próximas prioridades do Partido Democrata no Congresso, após a aprovação do pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão na quarta-feira, 10. De acordo com a democrata, os correligionários do presidente Joe Biden "não desistirão" de aumentar o salário mínimo do país e se debruçarão sobre o plano de investimentos em infraestrutura, com foco em energias renováveis, prometido pelo chefe da Casa Branca ainda durante a campanha eleitoral de 2020.

"Tenho lutado por isso há muitos anos. E é nessa luta que estamos agora", declarou Pelosi durante uma coletiva de imprensa, em referência ao aumento do salário mínimo de US$ 7,25 para US$ 15 a hora.

A proposta chegou a integrar o pacote de estímulos aprovado ontem no Congresso, mas foi retirada do texto por não ter tido apoio suficiente no Senado.

O pacote de infraestrutura, cujos detalhes ainda serão divulgados pelo governo deverá ter foco na questão ambiental. Aliás, esta é a expectativa de correligionários do presidente Joe Biden.