FPF e clubes decidem por paralisar o Paulistão

Com prorrogação, restrição segue até dia 11 de abril
Com prorrogação, restrição segue até dia 11 de abril - FOTO: Divulgação

A Federação Paulista de Futebol (FPF) e os clubes que disputam o Campeonato Paulista se reuniram ontem e decidiram suspender a disputa do Estadual até 30 de março. O período compreende a vigência da fase emergencial e da proibição de atividades esportivas em São Paulo para conter os casos de coronavírus (Covid-19). A entidade e os times participantes debatem agora um calendário alternativo, em que os jogos previstos para o período possam ser realizados em outras datas.

O Campeonato Paulista tem previsão de ser retomado na quarta-feira da próxima semana, com a disputa da oitava rodada. O período de suspensão impactou nos compromissos das rodadas 5, 6 e 7. Segundo nota da FPF, esses jogos "serão reagendados e publicados em momento oportuno", de acordo com a possibilidade das equipes. A FPF garante que o Estadual vai terminar na data prevista, dia 23 de maio.

A FPF convocou a reunião na última quinta. Na ocasião, um encontro virtual anterior havia decidido que a rodada do fim de semana não seria disputada por causa da falta de tempo hábil em encontrar novas sedes para o jogo. As últimas partidas do Campeonato Paulista foram realizadas em 14 de março, um dia antes de entrar em vigor pelo governo de São Paulo a fase emergencial. Nessa etapa, as atividades esportivas coletivas estão suspensas.

A todo, o Campeonato Paulista tem 25 jogos atrasados. Além das três rodadas cheias (5, 6 e 7), há ainda o encontro entre São Bento e Palmeiras, válido pela terceira rodada. A FPF vai tentar encaixar todos esses confrontos nas próximas semanas. O desafio será respeitar o tempo de descanso entre uma partida e outra e ainda conciliar com outros torneios do calendário. Competições como a Copa do Brasil, Copa Libertadores e a Recopa Sul-Americana estão previstas para as próximas semanas.

A decisão de suspender as próximas rodadas do Campeonato Paulista veio após a FPF insistir na continuidade da competição ao longo das últimas semanas. A entidade tentou reverter a decisão do governo e buscou mandar jogos fora do Estado. As investidas por realizar partidas em Minas Gerais e Rio de Janeiro não deram certo após os respectivos governos estaduais vetarem a ideia.