Pfizer e BioNTech anunciam acordo para vacinar atletas

A pouco menos de dois meses para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados em um ano por causa da pandemia do coronavírus, os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram ontem que alcançaram um acordo com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para fornecer vacinas contra a Covid-19 aos atletas e membros das delegações participantes do evento esportivo no Japão.

As empresas anunciaram que devem estabelecer uma "coordenação com os comitês olímpicos em todo o mundo" e as primeiras entregas de vacinas começarão no final deste mês. O COI não tornou a vacinação obrigatória, mas a recomenda a todos os participantes do evento.

A vacina desenvolvida e produzida pela Pfizer-BioNTech se tornou o pilar central da estratégia da União Europeia para combater a pandemia do coronavírus. Em nota, os dois laboratórios afirmaram que o objetivo do memorando de entendimento assinado pelo COI é que "as delegações participantes recebam a segunda dose antes da chegada na capital japonesa".

Essas doses serão adicionadas a entregas já planejadas como parte de pedidos feitos por governos nacionais ou pela iniciativa internacional Covax. Na nota, o presidente do COI, o alemão Thomas Bach, destacou que a distribuição de vacinas "é mais um instrumento na caixa de ferramentas de medidas que vai ajudar a fazer dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020 um evento seguro para todos".

A Olimpíada deve receber cerca de 11 mil atletas, embora um número considerável desse total já tenha recebido pelo menos uma dose da vacina. Da mesma forma, a nota dos dois laboratórios faz menção às "delegações", sugerindo um grupo importante de pessoas além dos atletas (treinadores, oficiais de logística, auxiliares). (E.C.)

Deixe uma resposta

Comentários