Polícia Civil e MP-RJ investigam Confederação Brasileira de Vôlei

Sede da Confederação Brasileira de Vôlei, no Rio, foi alvo de operação policial
Sede da Confederação Brasileira de Vôlei, no Rio, foi alvo de operação policial - FOTO: Divulgação

A Polícia Civil do Rio de Janeiro e o Ministério Público do Estado (MP-RJ) realizaram ontem uma operação conjunta nas sedes da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), em Saquarema (RJ), e na capital fluminense, e em endereços ligados ao ex-presidente da entidade Ary Graça, que atualmente comanda a Federação Internacional de Vôlei (FIVB, na sigla em inglês). Além dele, outras nove pessoas são investigadas e tiveram mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça, incluindo o ex-prefeito de Saquarema, Antonio Peres Alves, e ex-funcionários da CBV.

Batizada de Operação Desmico, a ação apura crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa. Desde as primeiras horas do dia, os agentes da Polícia Civil tentaram cumprir 20 mandados de busca e apreensão nos bairros do Leblon, Barra da Tijuca, Copacabana, Ilha do Governador e Vargem Grande, na capital fluminense, além do município de Saquarema.

Segundo denúncia do MP-RJ, durante o mandato do ex-prefeito Antonio Peres Alves (2000-2008) foram editadas três leis complementares em Saquarema que concediam benefícios fiscais abaixo do piso constitucional, o que fez com que várias empresas fantasmas fossem criadas na cidade. A manobra promoveu um aumento exponencial e irregular da arrecadação em Saquarema, ao mesmo tempo em que provocou uma grande evasão fiscal em outras cidades, já que empresas de outros municípios passaram a declarar - falsamente - sede em Saquarema.

De acordo com o delegado Thales Nogueira, titular da Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (DCC-LD), descobriu-se que em dois pequenos escritórios em Saquarema funcionavam de forma fictícia mais de mil empresas que recebiam benefícios fiscais concedidos pelo então prefeito. Os valores obtidos com as centenas de contratos de sublocação eram repartidos entre os integrantes da organização criminosa. O rombo seria de pelo menos R$ 52 milhões.

Contra Ary Graça, a denúncia do MP afirma que o ex-presidente manejava recursos de patrocínio do Banco do Brasil à entidade em favor de si próprio e do grupo criminoso. Desta forma, apesar de possuir sede na capital, a CBV celebrou contratos que não foram devidamente executados com empresas estabelecidas em Saquarema.

Outro lado

A CBV confirmou que recebeu a Polícia Civil em suas sedes por conta da investigação. Funcionários da confederação prestaram auxílio às autoridades que buscavam documentos relativos a um suposto esquema de fraude tributária que teria contado com o auxílio do ex-presidente Ary Graça.

"A atual gestão da confederação cooperará integralmente com a investigação e, se forem comprovados prejuízos financeiros à CBV, tomará todas as medidas necessárias para que estes valores sejam integralmente ressarcidos à comunidade do voleibol", informou o atual comando da CBV.

Um cofre foi levado pelos policiais durante as três horas da operação. Todos os envolvidos não fazem mais parte da atual administração da CBV. Ary Graça levou o caso para seus advogados. Ele está na Suíça, sede da FIVB.

Deixe uma resposta

Comentários