Dia das Mães

Mulheres idosas precisam entrar na agenda social e governamental

Especialistas chamam a atenção para a necessidade de políticas públicas e ações em prol dessas mulheres

08/05/2022 às 07:00
Atualizada em 08/05/2022 às 07:00.
Banco de Imagens Freepik

Mulheres idosas vivem o desafio do cuidado e de contribuir com familiares - FOTO: Banco de Imagens Freepik

Envelhecer significa passar por um processo intrínseco e natural ao ser humano. No entanto, quando falamos em mulheres idosas, envelhecer pode se tornar um fator de resistência. Durante muitas décadas, a mulher foi valorizada quase que exclusivamente pelos seus papéis reprodutivos, tendo como centralidade de sua vida o lar e os cuidados com os membros da família. Uma reflexão importante para este Dia das Mães. 

Para a presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), dra. Ivete Berkenbrock, atualmente, as mulheres idosas continuam dando suporte à família, por serem muitas vezes as provedoras por meio da aposentadoria, pensão ou benefícios.

Com o aumento da expectativa de vida, mais mulheres acima dos 60 anos se tornaram cuidadoras de seus pais, também idosos. Além disso, ajudam a cuidar dos netos ou a fazer os serviços domésticos para os filhos.  

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), as pessoas idosas representam um quinto da população brasileira. Dessas, 18,5% trabalham, 85% moram com outras pessoas e 75% contribuem com pelo menos metade da renda familiar. Além disso, com a inflação fechando 2021 em 10,06% (a maior desde 2015), muitos idosos não conseguem se manter ou contribuir com a renda familiar apenas com as suas aposentadorias. Assim, são obrigados a voltar ao mercado de trabalho atrás de uma vaga de emprego.

Ana Amélia Camarano, coordenadora de Estudos e Pesquisas de Igualdade de Gênero, Raça e Gerações, da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), salienta que envelhecer é questão de gênero. Segundo ela, além de termos mais mulheres idosas do que homens, as mulheres cuidam de seus maridos e depois não tem ninguém para cuidar delas. Elas são as principais cuidadoras, mas também são as que demandam mais cuidados, estando mais sujeitas a problemas como hipertensão, a problemas de artrite e artrose e depressão.

Uma forma relevante de suporte a essas mulheres, como indica a presidente da SBGG, são as chamadas redes de apoio, compostas, em muitos casos, por familiares, que além das necessidades físicas ou financeiras, contribuem principalmente para a saúde emocional.

Ana Amélia chama atenção ainda para os impactos da pandemia de Covid-19 como um dificultador nas relações de todos, mas em especial, na vida das pessoas idosas. E o resultado deste período ainda é indefinido.

A presidente da SBGG finaliza ressaltando a importância de mais ações governamentais que dêem mais suporte às mulheres idosas, tema que deve estar na pauta da sociedade principalmente em ano eleitoral. 

 

Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
editor@moginews.com.br
editor@jornaldat.com.br
aline.portalnews@moginews.com.br

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News