Batalha difícil

O pessimismo apresentado nos últimos dias pelo movimento Pedágio Não em relação à batalha travada contra a instalação de um posto de cobrança na rodovia Mogi-Dutra (SP-88) por meio do projeto de concessão de rodovias paulistas, é válido e tem seus motivos.

Em entrevista recente à reportagem, Paulo Bocuzzi, um dos cabeças do movimento contra a proposta da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), afirmou que "infelizmente o pedágio nunca esteve tão próximo de acontecer em Mogi das Cruzes".

Além de informações privilegiadas que ainda não puderam ser passadas, a pesquisa realizada às margens da rodovia - na altura do km 45 - com motoristas que trafegam pela via, dá ainda mais força à possibilidade da instalação do tão temido posto de cobrança, ou, ao menos, de que o edital sairá do papel em breve.

Corroborando com a teoria de que o pedágio nunca esteve tão perto de se tornar realidade, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informou ao Grupo Mogi News que a pesquisa realizada na via é de autoria da concessionária Ecorodovias, responsável por concessões no Estado. O DER ainda afirmou que a empresa tem liberação para continuar com a pesquisa até 14 de março.

Para tentar frear o pedágio, Bocuzzi, representando o movimento Pedágio Não, disse que mais manifestações serão realizadas em Mogi, para que o tema não caia no esquecimento e a proposta avance em silêncio. Além disso, também está sendo estudada a criação de uma frente parlamentar na Assembleia Legislativa para que os deputados estaduais impulsionem, de forma oficial, a causa popular.

Antes do tema esfriar, devido à pandemia do coronavírus, a Artesp já havia anunciado que a instalação do pedágio havia sido descartada. Além da animadora notícia, o departamento também informou que estudos estavam sendo realizados para propor um novo local ao posto de cobrança, "ciente das demandas e preocupações da região de Mogi".

Mesmo com tais promessas, que, à primeira vista são positivas, ainda há o temor da população com a possibilidade de instalação do posto de cobrança em outros pontos da via já que, segundo os últimos posicionamentos da agência, o pedágio pode ser realocado.