Saúde Funcional

luiz
luiz - FOTO: divulgação

O processo de envelhecimento traz uma gama de modificações fisiológicas que acarretam na redução da massa muscular, força e função em muitos sistemas. No sistema respiratório, são observadas alterações no tecido conjuntivo que aumentam a rigidez da caixa torácica e reduzem o componente elástico dos pulmões, influenciando diretamente na mecânica respiratória, acarretando na redução da mobilidade da caixa torácica e elasticidade pulmonar

Outro fenômeno relacionado ao envelhecimento é a redução da força dos músculos respiratórios. Outros aspectos que se modificam de forma perceptível durante o envelhecimento estão associados à composição corporal do idoso, que tende a ganhar peso progressivamente até em torno de 70 anos, diminuindo após essa idade e apresentando uma redistribuição de gordura corporal das extremidades para a área visceral, podendo interferir no sistema respiratório.

É de fundamental importância conhecer as mudanças fisiológicas para que se atue na prevenção de patologias. Além disso, com o crescente aumento da população idosa, os profissionais de saúde devem preparar-se para atender a essa demanda, a fim de promover melhor qualidade de vida a esses indivíduos. Existem algumas técnicas que podem ser praticadas em casa darão mais resistência ao pulmão para encarar a Covid-19 e ajudam a diferenciar sintomas de doenças.

As lesões pulmonares causadas pelo coronavírus podem ser graves e irreversíveis, porém, um planejamento adequado de exercícios físicos e nutrição é capaz de minimizar esse impacto, melhorando a qualidade de vida dos pacientes. Sabemos que o pulmão, por ser um órgão elástico e complacente, tem características fundamentais para que haja o adequado preenchimento dos espaços aéreos no ato respiratório. Já nos processos inflamatórios e/ou infecciosos pulmonares ocorrem, a posterior, um processo de reparo, no qual o tecido elástico tende a ser substituído por um tecido fibroso. Estas ditas 'sequelas' ocorrem em variados graus em diversas patologias pulmonares, e infelizmente, não é diferente na Covid-19.