O que nos espera?

Quando pensamos que a o pior da pandemia de coronavírus já havia ficado para trás, lá pelos meados do ano passado, eis que a doença mostra que não respeita opiniões, religiões, ideais políticos e divisas. Na verdade, a Covid-19 não está nem aí para a gente. O mais triste é que parece que temos o mesmo sentimento em relação a ela.

Altos índices de mortes e internações se mostram tão ou mais preocupantes do que vimos no inverno passado, entretanto, temos a vacina, que é aplicada a conta gotas na população, porém, aquelas medidas de restrições que haviam sido aplicadas em 2020 e que parecem ter ajudado a achatar a curva de óbitos e internações, não estão mais sendo respeitadas.

Na quinta-feira passada, um dia após ter decretado o retorno da fase vermelha do Plano São Paulo, a gestão Doria ameaçou os prefeitos que não cumprirem a determinação estadual e prometeu levar o caso ao Ministério Público. A situação pode ser levada à Justiça, tudo o que não precisamos. Por outro lado, o governo estadual falha em não apressar a abertura de leitos. O Alto Tietê está sofrendo com isso, já que a promessa de abertura de 70 leitos bancados pelo Palácio dos Bandeirantes deve ocorrer somente em duas semanas. É muito tempo para abrandar a situação à beira do colapso que estamos vivendo. O próprio presidente do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), e prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PL), destacou que em 15 dias a situação poderá estar pior do que agora. Condemat e governo do Estado, que sempre caminharam a pari passu para enfrentar o problema, mostram sinais de desentendimento. Na quinta-feira passada, o consórcio regional havia afirmado na que o Estado pouca apoia o Alto Tietê na abertura de leitos. Soma-se a tudo isso à despreocupação que parte da população tem com a pandemia - isso se mostra claro ao frequentar feiras livres, onde é possível ver feirantes e consumidores sem máscaras. Este é apenas um exemplo.

Dias sombrios ainda estão por vir e se população e autoridades não estiverem preparados, a batalha contra o vírus poderá ser ainda mais mortal.