Mais vacina, menos cobrança

Os prefeitos de 440 municípios de São Paulo, incluindo os do Alto Tietê, pressionaram o governo do Estado para a implantação de medidas ainda mais restritivas para brecar a proliferação da Covid-19, entre elas, soluções voltadas à lotação em ônibus e trens. O pedido é emergencial e, embora não resolva o problema em médio prazo, poderá ajudar a atual situação crítica pela qual as cidades passam com a falta de leitos de Enfermaria e UTI. Por isso, representantes dos municípios também pedem a instalação de um hospital de campanha regional para aliviar a crescente demanda. O prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha (Pode) também cobra do governo Federal os repasses, já atrasados, para a instalação de mais leitos na cidade.

Enquanto as prefeituras caminham cada vez mais para medidas que se aproximam de um lockdown, há o lado dos comerciantes, que travam batalha para abertura das atividades. Conforme divulgado hoje pelo Grupo Mogi News, houve manifestação ontem, que acabou em frente à Prefeitura de Mogi, solicitando a flexibilização. O Sincomércio já enviou ofício ao prefeito Caio Cunha, na semana passada, e disponibilizou um abaixo-assinado em prol da causa. Já a Associação Comercial da cidade cobra alternativas para o atendimento drive-thru, agora restrito apenas aos setores considerados essenciais. O que mais revolta os comerciantes é que as restrições foram impostas logo após a criação de um esquema para atendimento drive-thru e liberação dos estacionamentos Zona Azul na cidade. Ainda no período de adaptação, o sistema foi cancelado pela Prefeitura.

Cobranças nessa fase, literalmente crítica, não faltam, e continuarão. O que poderá salvar a pele dos prefeitos favoráveis a maiores restrições são os resultados dessas ações, que só poderão ser analisadas após, pelo menos, um mês. Espera-se, principalmente, que o número dos internados diminua.

Em meio a tantas discordâncias, há um ponto de cobrança considerado hors concours e que, naturalmente, colocará os setores que pensam diferente nos mesmos trilhos: a celeridade para distribuição da vacina. A lentidão para imunização é a questão principal, que gera todas essas divergências.