Alteridade: o Outro!

Raul Rodrigues
Raul Rodrigues - FOTO: Daniel Carvalho

Em meio a recomendações para evitar aglomerações devido à Covid 19, como ficam as relações? Ao constatar que se viveu, não muito bem, o ano passado e parte deste, como foi nossa relação com o outro? Chegou sequer a imaginar, em toda sua extensão, o que vem a ser o outro? Um outro de nós mesmos, ou seja, aquele que é, por sua vez, como nós, e ao mesmo tempo Outro, além de nós?

Reunir-se ao outro supõe, portanto, de uma parte, a vida em comunidade. De outra parte, sem ele, não seriamos nada moralmente, já que a própria moralidade e pressupõe a interação com o outro. E como fica isso sob o vírus? Pelos preceitos éticos levar em consideração o outro implica invocar a alteridade. A diferença a ser aceita, instalada entre seres humanos em geral. Mas ela também nos reenvia a uma identidade: como entender isso por seu lado sem que a diferença seja evasiva e sem que ela seja negada? Em meio à pandemia pode-se invocar dois movimentos de pensamento para compreender o outro e dois campos nos quais ele é susceptível de se manifestar.

O "primeiro movimento" consiste em compreender o outro. Assim, o outro existe na medida em que fala. Isto é que exprime seu pensamento como todos aqueles que exprimem seus pensamentos, falando.

O "segundo movimento" consiste em me compreender a partir do outro. Assim, minha identidade me aparece nos olhos do outro, espelho da minha reflexão, com relação a ele. Para se ter uma ideia do quanto é controverso o movimento basta citar costume de uma aldeia no norte da África do Sul. Nesta aldeia quando uma pessoa encontra a outra diz: Sawubona (Eu vejo você!). O Outro responde: Sikhona (Estou aqui! ou se você não me vê, não existo!). !

A partir daí, o impasse é o seguinte: cativo estou de meu conhecimento ou a minha relação com o outro vem em primeiro lugar, ou preciso do outro para ser e para me conhecer? De qualquer forma, eu ou o outro, quem está em primeiro lugar? Parece que os aldeões africanos resolveram!

Raul Rodrigues é engenheiro e
ex-professor universitário.