Desconfiança

Afonso Pola
Afonso Pola - FOTO: Daniel Carvalho/Mogi News

Nas últimas décadas, a questão da Segurança Pública passou a ser considerada um problema de grande importância para a sociedade brasileira - ganhou enorme visibilidade e tornou-se presente nos debates tanto de especialistas como do público em geral. Tal discussão ganhou enorme destaque em virtude do crescimento das taxas de criminalidade, da disseminada sensação de insegurança e do aumento da violência em geral.

Tem contribuído para esse quadro a falta de uma política pública de segurança consistente e efetiva, que vá além de uma perspectiva apenas repressiva, mesmo porque os dados apontam uma visível ineficácia da ação policial na coibição da violência criminal.

É justamente em períodos como o que vivemos que algumas instituições assumem importância decisiva aos olhos da população. Esse é o caso das instituições jurídicas e policiais e, portanto, elas precisam muito gozar de credibilidade perante a sociedade.

Muitos são os fatores que desgastam a imagem das instituições judiciárias e policiais. No caso da Justiça, a morosidade e o desfecho de muitos casos animam a desconfiança. Já as instituições policiais sofrem com as constantes notícias de envolvimento de seus membros em diversas ações violentas e ilegais.

A pesquisa Periferia, Racismo e Violência, feita pelo Instituto Datafavela em parceria com a Central Única das Favelas (Cufa) mostra que metade das pessoas que vivem nas periferias dizem sentir medo ao ver a polícia. Já nas classes mais altas, esse número cai para 23%. A frase "a polícia é perigosa para pessoas como eu" é verdadeira para 54% dos negros, enquanto para brancos a afirmação só faz sentido para 17%. E apenas 5% dos brasileiros acreditam que a polícia não é racista.

O estudo mostrou também que quatro em cada dez periféricos já foram vítimas de algum tipo de violência policial. Mas os homens negros de baixa renda continuam mais expostos às abordagens. Precisamos urgente recuperar a credibilidade dessas instituições. Nenhuma política de segurança pode ter êxito quando instituições diretamente ligadas a essas políticas são vistas com desconfiança.