Aguardado e contrariado

Dois editais estaduais de concessão que ganharam grande projeção no ano passado ficaram para 2021, contrariando estimativas iniciais de que seriam divulgados até o final de 2020. Enquanto o edital da concessão das estações de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) é esperado por atender uma antiga demanda da população, a concessão das rodovias Mogi-Bertioga (SP-98) e Mogi-Dutra (SP-88) - e outras rodovias que dão acesso ao litoral paulista - é aguardada para que se tenha certeza da exclusão da praça de pedágio do km 45 da Mogi-Dutra.

Quanto à CPTM, são aguardadas as reformas e ampliações das estações Estudantes, Mogi das Cruzes e Jundiapeba, da Linha 11-Coral. A companhia já autorizou o início do procedimento licitatório para que o edital seja produzido. O edital da CPTM ocorreu em março, mas sem propostas de empresas para realizarem as reformas. Além disso, a concessão da estação Braz Cubas não está incluída no edital, mas é possível que os estudos feitos para as outras três estações também sejam utilizados neste novo processo de concessão, cujo edital segue sem data de publicação. Se o processo da reforma das três estações sofrerá atraso indeterminado, é possível imaginar que as melhorias na Braz Cubas deverão levar ainda mais tempo. Além disso, um dos objetivos é utilizar o espaço das estações para fins comerciais. O que não será concebível é melhorar a atuação do comércio sem as obras necessárias para o conforto e segurança dos passageiros. É preciso ficar de olho.

Sobre o pedágio, em setembro de 2020, após diversas manifestações contrárias à instalação do posto de cobrança, o Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas do Estado de São Paulo aprovou a publicação do edital de concessão do lote de rodovias do litoral. O avanço foi, novamente, recebido com indignação pela população, que voltou a se organizar para barrar a proposta. A Artesp confirmou que o edital ficará para este ano.

Temos aí, duas propostas para Mogi das Cruzes que merecem atenção. A primeira, das estações, a cidade aguarda ansiosamente, ao contrário da segunda, a qual Mogi quer distância.