A verdade

sadfa
sadfa - FOTO: divulgação

Quem assiste aos depoimentos que são colhidos na CPI da Covid no Senado Federal pode ter uma dimensão da capacidade investigativa do órgão. O interrogatório promovido por senadores se revela intenso e profundo, deixando o interrogado, no mínimo, desconfortável. Transmitido ao vivo pela TV Senado e por centenas de canais no Youtube todos os assuntos possíveis são exauridos pelos questionamentos.

Há senadores dispostos a interrogar e o fazem muitíssimo bem. Há outros que utilizam seu tempo para discursar contra e a favor do governo, mas sem qualquer sombra de dúvida a CPI é um choque de realidade. Fica explícito o sentimento que todos nós brasileiros sentimos de falta de comando na condução do combate à pandemia. A cada depoimento prestado, aquilo que se acha é confirmado e o resultado dos trabalhos não irá agradar o governo federal.

Agora que é consenso a necessidade de vacinas, o presidente da República publicamente em pronunciamento oficial insinua que o vírus pode ser uma arma biológica. Resultado: a China retarda o envio de insumos para continuidade de produção de vacinas. A China tem sido bastante paciente com o presidente, bastaria deixar de fornecer os insumos e o Brasil ficaria sem a maior parte das vacinas até que outros fornecedores entregassem doses prontas ou nós desenvolvêssemos nossos próprios insumos.

Pare de importar soja, carne, minérios, por seis meses e o discurso anti-China nunca mais seria ouvido. Em vez de agredir com palavras e dificultar a vida dos milhões de brasileiros que esperam pela vacina, o presidente deveria se retratar publicamente com o governo chinês. O Brasil não precisa de inimigos, já tem um que matou mais de 427 mil brasileiros. O Brasil precisa de vacinas.

Discurso não imuniza, propaganda não imuniza, torcida, preferência política e partido também não. Só a vacina imuniza. Que a CPI traga a verdade sobre a condução no combate à pandemia, aponte os responsáveis e possa acelerar a imunização no Brasil. Quem sentar naquela cadeira vai enfrentar uma comissão composta por políticos extremamente experientes e muito hábeis, cuidado, a língua pode ser o passaporte para problemas maiores.