Saúde Funcional

luiz
luiz - FOTO: divulgação

Casos de infartos, insuficiência cardíaca e arritmias vêm trazendo uma preocupação aos pacientes infectados pela Covid-19. Uma das causas é a miocardite e a pericardite, distúrbios relacionados ao coração. A principal diferença em ambos é que a miocardite está relacionada à inflamação nos músculos do coração, enquanto a pericardite se refere à inflamação nas camadas externas aos músculos do coração.

No entanto, como há uma inflamação em ambos os casos, o sistema imunológico do corpo responde de maneira semelhante e tenta se livrar da inflamação e da infecção. Importante ressaltar que, a pericardite é menos grave e muitas das vezes tem poucos sintomas, já a miocardite é mais grave e pode apresentar sintomas mais atenuados.

A lesão miocárdica, evidenciada por biomarcadores cardíacos elevados, foi reconhecida entre os primeiros casos de Covid-19, na China. O relatório do Conselho Nacional de Saúde mostrou que quase 12% dos pacientes sem doença cardiovascular (DCV) conhecida apresentaram níveis elevados de troponina ou parada cardíaca durante a hospitalização.

O aparecimento de sintomas como dor forte no peito, dificuldade para respirar ou formigamento no braço esquerdo, por exemplo, podem ser uma informação para realizar uma avaliação cardíaca.

O resultado do exame de troponina em pessoas saudáveis será negativo, pois a quantidade de proteínas liberadas no sangue é muito baixa, sendo pouco ou não detectada. Já quando o resultado é positivo, significa que existe alguma lesão ou alteração no funcionamento cardíaco.

Infelizmente, não existe nenhuma proteção específica para evitar os problemas cardíacos decorrentes da Covid-19 e de nenhuma outra virose. A rapidez da cura ajuda muito a diminuir o risco das complicações, mas o processo é muito individual e requer repouso. Um dos fatores de risco para a miocardite é justamente o retorno ao esporte após uma virose, sem que tenha havido a recuperação completa.