Tenho fome e sede de justiça

Olavo Câmara
Olavo Câmara - FOTO: divulgação

O Sermão que Jesus, o Cristo proclamou, em uma das suas frases afirma: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça". Há leis divinas (leis naturais) e leis criadas pelo homem. A justiça é grande, invariável e indubitável. Permaneceu imperturbável desde os tempos de Osíris no Egito (estamos nos referindo às leis dos homens ligadas às leis naturais). Colocar obstáculos no caminho das leis é abrir caminho para a violência. (É o que está acontecendo com as decisões do STF e também de certas atitudes da Câmara Federal e do Senado). Ora, quantas leis são arbitrariamente criadas e não representam a concordância da maioria. São futilidades. Ao fazer leis, o homem precisa penetrar profundamente na essência e no espírito das leis divinas, nas leis naturais ou não será bem sucedido.

Por isso, quando Jesus ensinou "bem aventurados os que têm fome e sede de justiça", está falando das leis divinas e aconselhando os responsáveis em criar leis para a sociedade que sigam os ditames daquele divino sermão. O egoísmo, a ganância e os interesses particulares além da sede de poder e de acumular fortunas, impedem de se implantar uma cultura real para elaboração das leis e ajudar a desenvolver os humanos que compõem as sociedades de todos os países.

A Deusa Themis tem os olhos vendados para ser imparcial, ela deseja na verdade, sondar o seu coração para sentir se ele é honesto. A espada que utiliza na sua mão direita é para desembainhá-la quando necessário para fazer justiça e somente guardá-la de volta com honras. Os legisladores e aplicadores das leis, com raras exceções, não obedecem a Deusa. Quando há choque entre a lei e a justiça, deve prevalecer a justiça. Mas, no Brasil, quando há choque entre a lei e ajustiça prevalece a lei. Homens da Justiça pesem os seus corações numa balança: num nos pratos coloquem o seu coração e no outro prato uma pluma. Levante a balança e veja a sua verdade. Caso o seu coração seja mais pesado que uma pluma deve ser condenado.