Auxílio contra desigualdade

São muitas as razões que justificam a manutenção do auxílio emergencial até o fim da pandemia. Criado em abril de 2020 como medida para enfrentamento das consequências da Covid-19, o projeto distribuiu benefício monetário a cerca de 68 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza no Brasil.

Conter a crise sanitária mantendo o distanciamento social, combater a pobreza extrema e a fome, diminuir as desigualdades - incluindo de gênero e raça - e injetar recursos na economia são as principais razões que comprovam a importância da manutenção da ação. Dados produzidos pelo Ibre/FGV, a partir da Pnad-Covid, revelam que o auxílio emergencial vem contribuindo para que a extrema pobreza no Brasil chegasse ao seu nível mais baixo da história recente, 2,3%. O fim do benefício, inevitavelmente, eleva a parcela de brasileiros vivendo em pobreza extrema. Não fosse pelo auxílio, que injetou mais de R$ 300 bilhões na economia, a recessão em 2020 teria sido muito maior.

O Brasil enfrenta, mês a mês, um momento dramático da crise sanitária e a falta de controle da disseminação do vírus é uma das mais importantes causas. Conter a crise sanitária mantendo o distanciamento social torna-se cada vez mais urgente. Mogi das Cruzes começou a pagar ontem a terceira e última parcela do programa Auxílio Emergencial Mogiano, desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social, que complementa o auxílio federal. Cerca de 32 mil famílias em situação de vulnerabilidade são beneficiadas pela iniciativa, com investimento total de R$ 9,7 milhões. O pagamento será feito até o dia 30 de junho a pessoas já inscritas no Cadastro Único (data-base de 16 de janeiro de 2021), com renda per capita entre R$ 89 e R$ 178 e já atendidas ou em espera para receber o Bolsa Família. Ainda não há uma definição quanto a uma possível prorrogação do benefício, mas ela será bem-vinda pela população.

Apesar de negacionistas ainda não entenderem a relevância da proteção contra a Covid-19, ela existe e é comprovada pela ciência. No mesmo sentido funciona o auxílio emergencial, que colabora para o isolamento social e serve como salvação para uma das consequências da pandemia.