O problema do frio

A semana que passou foi, certamente, uma das mais frias do ano, senão a maior, em toda a Região Metropolitana de São Paulo. Os termômetros chegaram aos 6º graus em alguns pontos. Na capital, por exemplo, 12 pessoas morreram por causa da hipotermia causada pelo frio. Este é um problema recorrente nesta época do ano, quando as grandes massas de ar polar atingem essa parte do Estado.

Anos atrás, o Alto Tietê teve casos de mortes ocasionadas pelo frio, o que é raro, mas extremamente estarrecedor e é preciso fazer ações para que isso não ocorra mais no Alto Tietê, mas o que é certo mesmo é que isso não ocorra em lugar nenhum.

Além de ser doloroso, a morte por causa do frio evidencia que estamos fazendo alguma coisa errada, por isso é preciso intensificar os trabalhos de campanhas do agasalho, entrega de cobertor e outras peças para que a população que está em situação de rua não sofra com as baixas temperaturas. Quem está em casa, às vezes está alheio com o que acontece com quem está lá fora, o que é perfeitamente normal, afinal é impossível estar preocupado o tempo inteiro, e se isso fosse possível, a vida seria insuportável.

Além da distribuição de peças de roupas por parte das campanhas, é preciso que os grupos de assistência do social dos municípios insistam para que essa população siga para um abrigo para passar a noite, certamente os casos de possível óbito seriam praticamente nulos, mas nem sempre estas pessoas desejam seguir até um local de acolhimento.

Os trabalhos realizados pelas prefeituras e demais entidades assistenciais são parte da solução, a população também pode fazer a sua parte, e por muitas vezes faz, que é a distribuição de alimentos aos moradores em situação de rua.

É preciso atenção com esse público, que nem sempre está na rua por déficit habitacional, mas sim por opção, por não conseguir conviver com a família por causa do uso de drogas ou álcool, ou qualquer outro tipo de distúrbio, ou seja, o fato de estar na rua é só uma parte do problema, quando na verdade a situação pode ser pior do que aparenta ser.