Eletiva hoje, urgente amanhã

A pandemia da Covid-19, iniciada no Brasil em março de 2020, mudou as prioridades dos municípios em investimentos na área da Saúde. O aumento do ritmo da campanha de vacinação - mesmo que não ocorra com a velocidade que queríamos - gera a expectativa de imunizar toda a população adulta do Alto Tietê até o final de setembro.

Como preparação ao período pós-pandemia, as cidades da região começam a planejar o futuro da rede municipal de Saúde. A Prefeitura de Mogi das Cruzes já informou que espera reaproveitar os equipamentos e mobiliário para outras unidades de saúde. Em Suzano, a Santa Casa começa a disponibilizar espaço para a realização das cirurgias eletivas, como é o caso da Ortopedia e catarata, que representam uma das maiores demandas.

A celeridade ou não desta retomada depende de alguns fatores. O principal deles tem participação da população, afinal, as cirurgias dependem da autorização do governo do Estado e serão retomadas com a queda constante das taxas de internação. Temos de ter sempre em mente que nossa colaboração e respeito às medidas sanitárias poderão, de forma indireta, salvar vidas e melhorar a situação de parentes e amigos, uma vez que milhares de pessoas aguardam autorização para realizar essas cirurgias que, por ora, não têm urgência, mas que, no futuro, podem representar um maior risco clínico. A cirurgia eletiva de hoje, se não realizada, pode ser a urgência de amanhã.

Há cidades, como Ferraz de Vasconcelos, que contam apenas com o Hospital Regional para o tratamento da Covid-19, de responsabilidade do governo estadual. A situação causa falta de informação por parte da Prefeitura, o que, consequentemente, acaba deixando o munícipe no escuro. A enorme fila para a realização de cirurgias eletivas sempre foi um gargalo no Alto Tietê. Vira e mexe são realizados mutirões de especialidades, com o objetivo de desafogar a alta demanda. Desde a chegada da pandemia, porém, a prática foi cancelada e, quando retornar, será preciso trabalho dobrado. Não para zerar as filas, mas somente para diminuí-las.