Luz no fim do túnel

Os números de internações por Covid-19 em junho e julho se mostram satisfatórios e vêm comprovando a eficácia das vacinas. No Estado de São Paulo, dia após dia, a queda de novos casos graves que demandam ocupação nos leitos de hospitais é nítida, o que faz com que população, trabalhadores e poder público comecem a vislumbrar a volta ao normal, mesmo que ainda sem uma data definida.

Em São Paulo, pouco menos de 16 mil pessoas estão internadas por Covid-19, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde. Esse é o menor número de internações desde 28 de fevereiro, quando o Estado registrou 15.740 pessoas hospitalizadas por efeitos da doença. Há um mês, o total de internações era de 24.899, ou seja, o número total de hospitalizações caiu 35,9%.

Destinadas a tratar pacientes com Covid-19, as oito unidades hospitalares de Mogi das Cruzes atingiram ocupação de 48% nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O índice não era registrado há meses, já que as ocupações variavam entre 52% e 54%. Os números referem-se ao Hospital Municipal, Santa Casa, Luzia de Pinho Melo, Ipiranga, Biocor, Mogi Mater e Santana.

Outra cidade onde a ocupação dos leitos de UTI está abaixo de 50% é Suzano. De acordo com a Pasta, fazem parte do levantamento o Pronto-Socorro Municipal (PS), Santa Casa, Santa Maria e Saint Nicholas. As duas últimas unidades são da rede particular, onde a Secretaria de Saúde oferece vagas de internação por meio de convênios firmados.

Em Itaquaquecetuba, no Centro de Saúde, Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Central da Covid-19 e Hospital de Campanha a ocupação na UTI também está estável. Nos leitos de Enfermaria e UTI, as ocupações são de 0% e 56%, respectivamente.

Os números apontam que, finalmente, a luz no final do túnel deu sinal de vida, mas esse é um momento decisivo, ainda mais com novas cepas, ou seja, se houver um relaxamento exagerado da maioria da população, a situação pode voltar a ficar tão dramática quanto há alguns meses.