Minimizando as consequências

A destruição de milhares de famílias do Estado de São Paulo por conta da Covid-19 é uma questão que afeta o presente e afetará também o futuro de muitos sobreviventes, uma vez que a ausência desses chefes de família - homens e mulheres - mudou o estilo de vida dos entes que dependiam dos parentes mortos para se alimentar, morar e se locomover.

Para minimizar essa situação, pelo menos de forma emergencial, o governo de São Paulo vai pagar seis parcelas de R$ 300 a quem perdeu parente para a Covid-19. O anúncio do programa de transferência de renda foi feito em entrevista coletiva na terça-feira passada. O programa vai beneficiar mais de 11 mil famílias em todo o Estado, segundo o governo, e terá o investimento de R$ 20,1 milhões. Ao todo, os beneficiários receberão R$ 1,8 mil, entre os meses de julho e dezembro de 2021. O benefício é cumulativo, ou seja, quem perdeu mais de um ente pode receber mais de um auxílio (somando os valores), desde que os óbitos tenham ocorrido dentro do núcleo familiar. O público-alvo da iniciativa são famílias inscritas no CadÚnico do governo federal, com renda mensal de até três salários-mínimos
(R$ 3,3 mil) que tenham perdido pelo menos um familiar vítima de Covid-19, como pai, mãe, avô, avó, filho ou filha.

Já são 135 mil mortes no Estado de São Paulo, o que deixa claro a quantidade imensa de pessoas que têm a vida afetada e que passa por grande dificuldade neste momento. Até porque não é a melhor hora de se posicionar no mercado de trabalho, muito menos de arriscar um investimento ou negócio empreendedor. A situação é muito séria e é papel do poder público buscar, desde já, minimizar as consequências que essa pandemia vai deixar em grande parcela do público brasileiro.

A consulta para o recebimento do benefício pode ser feita pelo site Bolsa do Povo, do governo do Estado. A pessoa deve estar com o Número de Identificação Social (NIS) em mãos para a conferência. O valor total para cada família não será a salvação, e o plano nem foi proposto com esse propósito. Mas que seja útil até que as pessoas consigam reorganizar suas vidas, a depender, também, das condições que o país oferecer nos próximos meses.