Mês especial

As cidades do Alto Tietê iniciaram o planejamento para retomar as cirurgias eletivas, ou seja, procedimentos não urgentes realizado nos hospitais. Após um ano e meio, essas intervenções cirúrgicas, paralisadas por conta da pandemia da Covid-19 em março do ano passado, começam a ser feitas novamente e, por trás, há uma fila cada vez maior que foi se formando no decorrer de 2020 e 2021.

A manutenção do planejamento depende, porém, dos número de internações de pacientes com Covid-19. Com a redução significativa apresentada nos últimos três meses, a agenda tem tudo para fluir, apesar de todas as dificuldades e momentos de adaptação, conforme a vacinação vai diminuindo a quantidade de vítimas causadas pelo coronavírus. Mas, é bom o paciente que aguarda pela cirurgia se preparar para a longa espera, além do risco de mudança de planejamento no meio do curso.

A retomada dos procedimentos já vem ocorrendo em várias regiões do país. Apenas cirurgias cardiovasculares representam uma demanda de mais de 60 mil pessoas e, embora haja o projeto de retomada nos hospitais, qualquer movimentação no cenário da pandemia poderá mudar o cronograma das cidades. Como parte da estratégia para retomar as cirurgias eletivas é preciso que a logística para entrega de oxigênio, insumos, como kit de intubação, além de sangue para transfusões, seja feita de forma diferenciada e mais acelerada. A suspensão se deu devido a uma série de motivos. Primeiramente, no auge da pandemia, não havia profissionais de saúde suficientes para realizar o atendimento a pacientes de Covid-19 e ao mesmo tempo realizar cirurgias eletivas. Houve também a falta de insumos.

Agora, chega um momento aguardado para muitos brasileiros, que é a possibilidade de resolver sua situação e ter a chance de alcançar mais qualidade de vida, em meio a tantas outras dificuldades causadas pela pandemia.

Esse momento de retomada já faz de agosto de 2021 um mês aguardado e especial.