Cenário ameaçador

Todo fim de temporada é atribulado para modalidades esportivas menos populares do que o futebol. Esportes coletivos como o basquete e vôlei encontram cenário ainda mais ameaçador do que o habitual, quando, sem contratos longos, a maioria dos times vive a aflição de renovação de acordos com patrocinadores, a fim de garantir a reformulação do elenco, modernização da estrutura de trabalho e equipamentos. Isso ocorre, normalmente, a cada ano.

Enquanto os clubes de futebol brasileiros de grande porte conseguiram se manter financeiramente, os principais times de vôlei e basquete do país já haviam decidido, no início da pandemia, que prosseguir a temporada não seria viável, o que acarretou no encerramento das competições da temporada 2019/2020, mesmo em período de playoffs.

Para se entender as dificuldades que essas equipes enfrentam, basta relembrar do cenário antes da pandemia. A crise econômica e a perda de apoios já eram uma realidade presente e a dispensa de grandes medalhões do elenco era corriqueira, além do corte de salário para os integrantes da equipe e comissão técnica. O cenário de perda dos patrocinadores e instabilidade causa ansiedade aos atletas e treinadores, mesmo porque, até 2019, contavam com um bom padrão salarial.

Com muitas interrogações pela frente, a Liga Nacional de Basquete, responsável pelo Novo Basquete Brasil (NBB), já sabe que temporadas mais baratas serão padrão para os próximos anos. Em paralelo, o Mogi Basquete também passa por uma reformulação importante. Ficará a cargo do recém-efetivado técnico, Danilo Padovani, encarar uma das temporadas mais complicadas para as equipes. Atuante no projeto de retomada do basquete mogiano desde 2010, o novo treinador não é renomado como o ex, Jorge Guerra, mas conhece o traçado como ninguém. Padovani trabalhou como auxiliar técnico direto de todos os treinadores da última década que passaram pelo comando do Mogi Basquete.

Identificação não falta. Resta saber quais serão as condições apresentadas à comissão técnica e jogadores no futuro próximo. Fácil não será para ninguém.