Saúde Funcional

luiz
luiz - FOTO: divulgação

As manifestações clínicas das doenças são frequentemente descritas como sinais e sintomas. Entretanto, esses termos têm significado distinto para o diagnóstico.

Ao falar de doenças, é comum citarmos seus sinais e sintomas, entretanto, muitas vezes confundimos o real significado de cada termo, utilizando-os como sinônimos. Fato é que sinais e sintomas são manifestações distintas, as quais estão muito relacionadas com quem às percebe. Sinal é um termo usado para referir-se às manifestações clínicas que são reconhecíveis por outra pessoa, em geral, por um profissional da área da saúde, por meio da observação direta do paciente. Nesse caso, são manifestações que o profissional da saúde ou outra pessoa consegue sentir, visualizar ou ainda escutar, exemplo disso são os próprios sinais vitais (Pressão arterial, Frequência cardíaca, Temperatura, Saturação e Ausculta Pulmonar).

Essa manifestação se difere dos sinais, pois é percebida pelo paciente e relatada por ele. No caso dos sintomas podemos exemplificar com um enjoo, dores de cabeça, cansaço físico, vertigem, náuseas entre outros.

Ainda podemos observar os sinais e sintomas normais antes de qualquer doença nos atingir, são os sinais e sintomas pessoais exclusivo da normalidade de cada indivíduo, onde cada um de nós deverá adquirir essa consciência corporal que irá nos nortear quando houver alguma alteração e essa percepção e clareza nos ajuda a identificar e procurar tratamentos ou auxílios necessários de forma mais rápida evitando futuras complicações. Conhecer o próprio corpo pode ser o princípio de todo o conhecimento, pois conhecer o corpo é conhecer-se a si mesmo.

Percebe-se, portanto, que sinais e sintomas são conceitos distintos e estão muito relacionados com quem percebe a manifestação clínica. Os sinais são as manifestações percebidas por outra pessoa, e os sintomas são as alterações apresentadas pelo indivíduo em relação ao que está sentindo.