O Brasil está à venda

Olavo Câmara
Olavo Câmara - FOTO: divulgação

Convidado para ministrar palestra na OAB e para alunos da Universidade da Amazônia em Boa Vista, Roraima, pude constatar que há áreas demarcadas que são reservas indígenas. Nestas áreas somente podem entrar os indígenas e os estrangeiros componentes de ONGs (Organizações Não Governamentais Internacionais). Quem comanda estas ONGs são a Inglaterra e outros países.

O que existe de importante nestas regiões? Muitos recursos, mas, principalmente, nióbio. É um mineral raro e estratégico. Dizem os cientistas que "várias ligas de nióbio são desenvolvidas por sua leveza e supercondutividade, muito superior a de outros minerais". "Seus principais derivados entram na composição de aços diversos, como devido à alta resistência, usados na fabricação de tubulações para transmissão de gás sob alta pressão, também servem para armamentos, foguetes, tanques de guerras e outros".

O Brasil possui mais de 90% das reservas. Há um projeto de lei tramitando no Senado que, se aprovado, disponibilizará 25% do território brasileiro para venda aos estrangeiros. Imaginem se aprovado, quem será o primeiro comprador? Logicamente que a China. Brasil uma riqueza imensa que supera as reservas de petróleo. O Canadá vem em segundo lugar, com 1,5% das reservas de nióbio. Acontece que o Canadá utiliza estas reservas cobiçadas para se enriquecer e enriquecer o seu povo. Enquanto que no Brasil, há um tremendo contrabando.

Dizem que milhões de dólares em nióbio saem do país todos os meses. Caso o governo brasileiro rompesse com outros povos e explorasse em mineral que estão nas reservas indígenas, o Brasil seria o país mais rico do planeta. Com o nióbio sendo exportado, o Brasil teria educação e saúde, gratuitas em todos os níveis. A distribuição de rendas e os salários de todos os brasileiros seriam os maiores do continente. . Mas, porque não se tomam atitudes? Há determinadas instituições brasileiras que estão de olho em toda esta situação. Os cidadãos honestos e patriotas, em determinado momento irão intervir.

Olavo Arruda Câmara é advogado, professor universitário, mestre e doutor em Direito r Políyivca