Há conquistas e muito a conquistar

Dentre os temas mais tratados na sociedade e que merecem mudanças culturais e comportamentais, a atenção à mulher é, sem dúvida, uma das mais visíveis conquistas ao longo dos anos. Ainda há muito o que ser feito, como uma maior participação na política, em cargos de alto escalão em empresas e no esporte, mas é indiscutível que a entrada da mulher no mercado de trabalho foi avassaladora nas últimas décadas. Por outro lado, a problemática da violência ainda é um dos casos mais sérios e antigos da sociedade.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) divulgou o balanço de dados sobre a violência contra a mulher recebidos pelos canais de denúncia do governo federal. Ao todo, em 2020, foram 105.671 denúncias, tanto do Ligue 180 (central de atendimento à mulher) e do Disque 100 (Direitos Humanos).

Ação igualmente importante, a Patrulha Maria da Penha vem sendo responsável por pedidos de medidas protetivas contra violência doméstica que, por sinal, caíram 19,7% nas cinco cidades mais populosas do Alto Tietê em 2020, no comparativo com o total registrado em 2019. A diferença pode representar um aumento da subnotificação de casos, fato preocupante. Mogi, Itaquá, Suzano, Ferraz e Poá encerraram 2020 com 1.575 solicitações de medidas protetivas, enquanto que em 2019 foram 1.963 pedidos.

Ainda falta muito para se chegar mais próximo do ideal. Infelizmente, os números ainda saltam aos olhos. Mas, há a visão do copo meio cheio, e essa diz respeito às conquistas das últimas décadas.

Celebrado no dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher foi organizado em 1909, em Nova York, em uma jornada de manifestação pela igualdade de direitos civis e em favor do voto feminino. Desde então, houve muitas melhorias, que respingaram no Brasil, mesmo que a passos lentos. Mas as inúmeras vitórias nessa árdua caminhada em batalha por direitos iguais devem ser celebradas. Basta comparar o momento atual com o cenário vivido pela mulher há 50 anos. Por bem, na contramão de inúmeros pensamentos retrógrados em pleno 2021, temos motivos para comemorar.