O que nós precisamos

O ser humano tem necessidades, e não são poucas, se levarmos em conta os arranjos da civilização: comer, beber, um teto sobre a cabeça, uma cama para dormir, entretenimento para o corpo e bálsamo para a alma, tranquilidade e saúde para perseguir seus sonhos e ambições.

O professor Antonio Carlos Lima, coordenador dos cursos de Marketing, Logística, Gestão Financeira, Processos Gerenciais e Recursos Humanos no Centro Universitário Brazcubas falou sobre o presente e o futuro da geração de empregos no Alto Tietê, sob a nova luz do mundo depois da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Das cinzas da intensa crise trazida pela doença, surgem as oportunidades de um novo paradigma de crescimento, de um futuro com investimentos em qualificação profissional, aperfeiçoamento de processos, em infraestrutura e empreendedorismo.

Mas, seria possível conseguirmos esta "largada milagrosa" na situação que vivemos hoje? Não podemos esquecer que, para além das oportunidades que temos para o amanhã, ainda precisamos atravessar o deserto do dia de hoje. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas por nosso país, recuou 0,1%, o que demonstra uma nova onda de recessão surgindo. Ainda estamos com 14,5 milhões de desempregados, com o aumento no custo de vida quase que mensal, com itens básicos como carne vermelha, café, açúcar, gás de cozinha e feijão, obrigando famílias a fazerem a pior das escolhas: comer pouco por muito tempo ou comer dignamente uma única vez.

Mesmo no Alto Tietê, as secretarias municipais responsáveis pela Assistência Social atendem a dezenas de milhares de famílias em situação de vulnerabilidade, a despeito do saldo positivo das contratações no mês de junho segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Sonhamos e desejamos correr para longe da crise e entrar na nova rota do desenvolvimento que está aberta e desimpedida. Mas, acima de tudo, precisamos primeiramente nos levantar e sobreviver a esta interminável noite de incertezas que nos assola.