O posto

Afonso Pola
Afonso Pola - FOTO: Daniel Carvalho/Mogi News

Tema muito comentado no âmbito governamental, a política econômica é extremamente importante para a condução correta de um país. Podemos dizer que ela consiste no conjunto de ações governamentais que são planejadas para atingir finalidades que estão diretamente relacionadas com a situação econômica de uma nação.

Os governos dispõem desse importante instrumento para planejar da melhor forma os seus objetivos sócio-econômicos. Além disso, a política econômica abrange temas importantes, tais como: tributação; orçamento; taxa de juros; oferta monetária e mercado de trabalho, ou seja, coisas que impactam de forma direta a vida das pessoas.

Portanto, podemos afirmar que ao traçar essa política, mudanças tanto estruturais quanto conjunturais podem gerar situações de estabilidade ou desequilíbrios econômicos.

Não foi à toa que Paulo Guedes surgiu como uma espécie de avalista do candidato Bolsonaro e depois o chefe da área econômica. Ainda durante a campanha, ganhou o apelido de "Posto Ipiranga", que na propaganda era indicado como o lugar para se encontrar todas as respostas.

Com mais de dois anos e meio de governo, parece que a expectativa em relação ao ministro não se confirmou. A crise econômica se mostra cada vez mais intensa, com uma combinação perversa: alta dos juros, alta da inflação e queda na renda.

Além da ineficiência demonstrada na condução da política econômica, Guedes vem perdendo força e importância no governo e fora dele. Para piorar, Guedes vem acumulando frases absurdas e infelizes demonstrando pouca sensibilidade diante do sofrimento do povo. Já classificou funcionário público como parasita, disse que com o dólar barato domésticas viajavam para Disney e que o preço do arroz subiu porque a vida do pobre melhorou. Também disse que a classe média exagera no prato e que as sobras poderiam alimentar os pobres. É da sua área a proposta de taxar os livros pois, segundo algum ser "brilhante" ele, só os ricos leem.

E, parafraseando-o, se o governo fizer muita besteira o dólar chega em R$ 5. Em meados de maio ele chegou a R$ 5,9718 e na cotação de ontem estava em R$ 5,177. O Posto Ipiranga é só um profeta.

Afonso Pola é sociólogo e professor