Artigo

Curiosidades sobre a Procuração

Arthur Del Guércio Neto
01/02/2022 às 05:30
Atualizada em 01/02/2022 às 05:30.
Divulgação

Arthur Del Guércio Neto - FOTO: Divulgação

Um dos primeiros artigos escritos em nossa coluna teve por tema a famosa procuração, cuja forma pública é a mais recomendável. Hoje, na coluna de número 98, vamos novamente tratar de alguns casos sobre ela, corriqueira na vida da sociedade, campo de atuação dos cartórios.

A procuração pública é o ato notarial por meio do qual um indivíduo, denominado outorgante, confere poderes para outro, chamado procurador, agir em seu nome. Ela é instrumento do contrato, sendo o elemento essencial de sua formação a confiança.

No entanto, apesar da forma pública ser a mais adequada, e por vezes até obrigatória, é habitual nos depararmos com a procuração particular, na qual os envolvidos solicitam o reconhecimento de firma, para atestar que a assinatura realmente pertence ao signatário.

O pressuposto básico para ter a firma reconhecida é ser alfabetizado ou, ao menos, semialfabetizado. Os analfabetos somente podem outorgar a procuração na forma pública, a qual, apesar de mais segura, é mais onerosa. Por essa razão, em muitas ocasiões, analfabetos tentam ter a firma reconhecida por uma questão econômica, para gastar menos.

Não raras vezes inserem a sua impressão digital no campo da assinatura, e pedem para "reconhecer a firma", solicitação impossível de ser atendida, pois a impressão digital não é assinatura (firma). Quando o analfabeto se manifesta na forma pública, a sua impressão digital é colhida como um elemento adicional de identificação, mas isso não quer dizer que se confunde com assinatura.

Outro curioso caso envolvendo se dá quando o procurador quer assinar o nome do outorgante, para "realmente" representá-lo. Exemplo: João nomeia Pedro como seu procurador e, quando Pedro vai assinar um documento em nome de João, quer utilizar na assinatura o nome do João. Confusão habitual que deve ser desfeita, pois o procurador utilizará o seu próprio nome ao assinar, representando o outorgante com base nos poderes conferidos.

Arhtur Del Guércio Neto é tabelião de Notas e Protestos de Itaquaquecetuba

Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Categorias
Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News