Sem debates

Mais uma boa notícia nessa imensidão de fatos ruins que estamos sujeitos diariamente por conta da pandemia do coronavírus: o Auxílio Emergencial Mogiano começou a ser pago ontem às famílias em situação vulnerável. Serão três parcelas de R$ 100 destinadas a um contingente de 32,4 mil famílias referenciadas no Cadastro Único (CadÚnico). No total, a Prefeitura de Mogi das Cruzes vai disponibilizar para o aporte um total de R$ 9,7 milhões. Ao mesmo tempo, o município lançou o programa Mogi Contra a Fome, destinado a angariar doações em prol de famílias carentes.

Logicamente, como tudo neste país, as ações recebem críticas. A principal delas, levantada por opositores políticos, é de que a atitude é assistencialista e de que o valor é ínfimo diante do tamanho da crise em que vivemos. Mas, na verdade, é um benefício de grande valia para um sem-número de famílias que passam o dia sem ter um prato de comida na mesa.

Com este triste cenário, é preciso avaliar as condições imediatas das pessoas. Para essa parcela da população, se ainda não se mergulhou totalmente em um período de fome absoluta, há inevitáveis efeitos do impacto que a crise vai deixar. As crianças de hoje enfrentarão problemas no futuro de caráter físico, pois a saúde das mesmas está comprometida desde já por falta de uma alimentação regular.

O lado psicológico também será abalado. Especialistas no assunto avaliam que os traumas e as sequelas deixadas pela pandemia serão imensos e que ainda não é possível estabelecer a profundidade das cicatrizes. Há crianças que perderam os pais e adultos que tiveram de enterrar um filho. Mas há a necessidade de tratamentos desde já, como forma de diminuir os impactos da Covid-19.

O problema da crise sanitária vai muito além de um quadro visível de pessoas abaladas pela morte de parentes e de crianças passando fome. Assim, toda e qualquer ação que possa reduzir os efeitos negativos da doença deve ser valorizada. Mais do que nunca é preciso entender que as ações devem ser conjuntas e não parte de uma mesa para debates e acordos políticos.

Deixe uma resposta

Comentários