Vergonha do fura-fila

A abertura de novos grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19 no país evidenciou uma categoria de brasileiro que precisa ser, com urgência, extinta do cenário: a da pessoa que quer levar vantagem sobre a outra, independentemente de seu direito ou não, usando de privilégios obtidos pelas relações pessoais e das benesses que a condição financeira lhe permitem. As pessoas com comorbidades, por exemplo, que não são poucas no Brasil, ganharam corpo com aquelas aproveitadoras, que fraudaram atestados médicos para furar a fila da imunização. Há também casos de professores e de profissionais da Educação que surgiram do nada somente para antecipar a sua vez na vacinação.

A prática do fura-fila é vergonhosa. Qualquer pessoa que tome a vacina antes de seu tempo está tirando a vez daquela que realmente necessita. Aliás, furar a fila no Brasil já parece uma atitude institucionalizada. É comum observar em bancos, repartições públicas e em estacionamentos que os espaços destinados ao público prioritário não são respeitados, sem nenhum constrangimento.

Além de mostrar um questionável e incômodo caráter - ou a falta dele -, das pessoas, a prática do abominável jeitinho escancara o atraso da chegada de vacinas no país e, mais do que qualquer outra coisa, a importância de se vacinar como a melhor forma de interromper a escalada da doença no Brasil. Enquanto países mais desenvolvidos já ultrapassaram a marca de 60%, em média, de cobertura de imunização em relação à população, por aqui, a vacinação se arrasta e está em torno de 20% dos habitantes. Sem dúvida, estamos bem atrasados.

Há, porém, alguns indícios de que essa situação pode se alterar em poucos meses. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), garantiu nesta semana que os habitantes adultos do Estado estarão vacinados até o final de outubro. Por outro lado, remessas dos insumos necessários para a fabricação de vacinas no Brasil, vindas principalmente da China, começaram a chegar com maior volume e frequência, o que pode indicar uma aceleração da vacinação contra a Covid no país. Assim, talvez, não seja mais necessário ninguém furar a fila.

Deixe uma resposta

Comentários