Água para todos

A situação do abastecimento de água na região, de acordo com avaliação da Companhia de Abastecimento do Estado de São Paulo (Sabesp), parece estar normalizada e não há risco de falta de água neste momento. Porém, os números divulgados ontem pela apuração da reportagem do Mogi News/Dat, com base nas informações do Portal dos Mananciais para as represas do Sistema Produtor Alto Tietê (Spat), indicam um cenário um pouco diferente.

O principal indício é a queda média de 23,55% no volume de água constatada no comparativo entre o início de 2021 e de 2022 dos cinco reservatórios da região - Ponte Nova, Biritiba, Jundiaí, Taiaçupeba e Paraitinga. Mesmo que três deles tenham apresentado aumento no nível do armazenamento, a situação da barragem de Ponte Nova, situada em Salesópolis, é delicada.

Em janeiro do ano passado, ela apresentava um volume de 253,16 hm³ (hectômetro cúbico, que corresponde a 1 milhão de metros cúbicos), o equivalente a 76,86% de sua capacidade. Um ano depois, perdeu quase a metade da água, chegando a 137,56 hm³ - uma queda de 45,67%. Considerando que é o maior reservatório daqueles que compõem o Spat, os índices exigem, no mínimo, cautela.

A seu favor, o monitoramento da Sabesp tem mostrado nas últimas semanas um volume maior de chuvas e uma leve alta no armazenamento. Como a intensidade das chuvas deve ser mantida até março, a situação tende a se normalizar. Esta é a expectativa do órgão estadual. A instabilidade do volume de água ainda depende de uma série de fatores concomitantes, que vão do controle de vazão do rio Tietê, até para se evitar riscos de enchentes na capital, até o uso consciente do produto pela população.

Nesse sentido, as ações desenvolvidas pelas prefeituras da região e pela Câmara Técnica de Meio Ambiente do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) têm contribuído bastante. Campanhas que incentivem o uso racional de água são o ponto de partida. O que falta é a população realmente colaborar evitando desperdícios e consumindo apenas o necessário.

Deixe uma resposta

Comentários